segunda-feira, 7 de maio de 2012

Não é por acaso, mas com o passar do tempo, dás conta
dos que valem a pena, dos que não valem e dos que nunca
deveriam ter valido. Quando olhas para o lado, à procura
de alguém a quem deitaste a mão, ou caíste junto ao tentar
ajudar, reparas que essa mesma mão não lá está para
fazer por ti o que terias feito por ela, sem nem sequer
pensar uma segunda vez à procura de coerência...
Ficam os outros, os que nunca caíram contigo, os que
valem mesmo a pena, e os outros, os outros podes
deixá-los partir, porque não te farão grande falta, fogem
demais, não ficam o tempo suficiente para te valerem a pena.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...