sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Até quando?

Eu nao quero mais nada que me leve a recordar-te...
Embora confesse, que de cada vez que te vejo revejo todas as loucuras que cometemos...ver-te ali, à distancia de um olhar, tudo me pareceu tão perto...
O muito que possamos ser , ainda, um ao outro...fica esquecido no muito que nos quiseram roubar e que conseguiram...
Nao foram nunca melhores que nos... Foram mais e piores...
O que me leva a lembrar-te do que sempre dissemos, lutar...
Tudo aquilo que sempre dissemos e que ao primeiro obstaculo esquecemos por completo...
Tudo o que nao fizemos foi lutar...
Foram mais e conseguiram...
Falta saber até quando...

"E, escrevendo, poupei as coisas que gostaria de te ter dito e que gostaria que tivesses ouvido. "

Indifference...

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

...


Agora um amor impossivel já nao é, como em tempos, lutar contra tudo e todos, para manter esse "friozinho que aquece", essa tal sensaçao de dois seres apaixonados, agora amor impossivel é aquele que nao tem uma vivenda com um carro enorme estacionado na garagem e uma grande piscina. Esse sim é um amor completamente impossivel!

Society

Darwin VS Fé

O aniversário de Darwin fez retomar a conversa.
Não há dúvida na ciência. Tudo o que hoje é considerado "verdade" é porque o é de facto. Teoria da relatividade, Big Bang, Teoria do caos, teoria dos conjuntos...
Deus não é assim.
Por Deus constroem-se teorias interiores com tanta ou mais força. Destroem-se os choques provocados na fé, pelas ciências, as certezas, os factos. Reza-se, pede-se, oferece-se, diz-se obrigado, pede-se desculpa, há arrependimento, sofrimento, alegria, agradecimento, entrega.
Alguns seguidores de Darwin, que consideram a criação do mundo auto-explicativa, rejeitam Deus, a sua existência, a criação do mundo em 7 dias e os actos bíblicos, aparentemente impossíveis aos olhos dos cientistas e dos "ver para crer".
Os que acreditam em Deus não rejeitam Darwin, porque não se rejeita a ciência. Porque de uma maneira estranha, que não se explica, que nem sequer faz sentido, os dois podem entrar nesta conta.
Impossível de explicar, de pôr em linhas, de provar. Chama-se fé.

In:
http://segundoimpacto.blogspot.com

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Elas nunca te deixam triste e só...

video

Vá, nao se aconselha o consumo...

Satisfaction - Rolling Stones cover


2x)

I can't get no satisfaction

'Cause I try and I try and I try and I try

(2x)
I can't get no

When I'm drivin' in my car
And that man comes on the radio
He's tellin' me more and more
About some useless information

Supposed to fire my imagination
I can't get no, oh, no, no, no
Hey, hey, hey, that's what I say

(2x)
I can't get no satisfaction

'Cause I try and I try and I try and I try

(2x)
I can't get no

When I'm watchin' my TV
And that man comes on to tell me
How white my shirts can be
But he can't be a man 'cause he doesn't smoke
The same cigarettes as me

I can't get no, oh, no, no, no
Hey, hey, hey, that's what I say

I can't get no satisfaction
I can't get no girl reaction
'Cause I try and I try and I try and I try

(2x)
I can't get no

When I'm ridin' round the world
And I'm doin' this and I'm signing that
And I'm tryin' to make some girl
Who tells me baby better come back later next week
'Cause you see I'm on losing streak

I can't get no, oh, no, no, no
Hey, hey, hey, that's what I say
I can't get no, I can't get no

I can't get no satisfaction
No satisfaction, no satisfaction, no satisfaction
I can't get no

2 geraçoes, o mesmo espirito



And I'd give up forever to touch you
Cause I know that you feel me somehow
You're the closest to heaven that I'll ever be
And I don't want to go home right now

And all I can taste is this moment
And all I can breathe is your life
Cause sooner or later it's over
I just don't want to miss you tonight

[Chorus]
And I don't want the world to see me
Cause I don't think they'd understand
When everything's made to be broken
I just want you to know who I am

And you can't fight the tears that ain't coming
Or the moment of truth in your lies
When everything feels like the movies
Yeah you bleed just to know you're alive

[Chorus]
And I don't want the world to see me
Cause I don't think they'd understand
When everything's made to be broken
I just want you to know who I am

(break and solo)

[Chorus]
And I don't want the world to see me
'Cause I don't think they'd understand
When everything's made to be broken
I just want you to know who I am

And I don't want the world to see me
'Cause I don't think they'd understand
When everything's made to be broken
I just want you to know who I am

I just want you to know who I am
I just want you to know who I am
I just want you to know who I am

Invincible



Follow through
Make our dreams come true
Don't give up the fight
You will be alright
'Cause there's no one like you
In the universe

Don't be afraid
What you're mind conceals
You should make a stand
Stand up for what you believe
And tonight we can truly say
Together we're invincible

And during the struggle
They will pull us down
But please, please let's use this chance to
Turn things around
And tonight we can truly say
Together we're invincible

Do it on your own
Makes no difference to me
What you leave behind
What you choose to be
And whatever they say
Your soul's unbreakable

And during the struggle
They will pull us down
But please, please let's use this chance to
Turn things around
And tonight we can truly say
Together we're invincible
Together we're invincible

And during the struggle
They will pull us down
Please, please let's use this chance to
Turn things around
And tonight we can truly say
Together we're invincible
Together we're invincible

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

The scientist

~
Come up to meet you, tell you I'm sorry
You don't know how lovely you are
I had to find you, Tell you I need you
And tell you I set you apart
Tell me your secrets, And ask me your questions
Oh let's go back to the start

Running in circles, Coming in tails
Heads on a science apart

Nobody said it was easy
It's such a shame for us to part
Nobody said it was easy
No one ever said it would be this hard
Oh take me back to the start

I was just guessing at numbers and figures
Pulling the puzzles apart
Questions of science, science and progress
Don't speak as loud as my heart
And tell me you love me, Come back and haunt me
Oh when I rush to the start

Running in circles, Chasing tails
Coming back as we are

Nobody said it was easy
Oh it's such a shame for us to part
Nobody said it was easy
No one ever said it would be so hard
I'm going back to the start

Aah oooh ooh ooh ooh ooh (x4)

Pardon me


Pardon me while I burst
Pardon me while I burst

A decade ago
I never thought I would be at twenty-three
On the verge of spontaneous combustion who-is-me
But I guess that it comes with the territory

An ominous landscape of never-ending calamity
I need you to hear, I need you to see
That I have had all I can take and
Exploding seems like a definate possibility to me

So pardon me while I burst into flames
I've had enough of the world and it's people's mindless games
So pardon me while I burn and rise above the flame
Pardon me, pardon me, I'll never be the same

Now two days ago
I was having a look in a book and I saw a picture
Of a guy fried up above his knees
I said, I can relate 'cause lately
I've been thinking of combustication

As a welcome vacation
From the burdens of the planet Earth
Like gravity, hypocresy
And the perils of being in 3-D
But thinking so much differently

Pardon me while I burst into flames
I've had enough of the world and it's people's mindless games
So pardon me while I burn and rise above the flame
Pardon me, pardon me, I'll never be the same

Never be the same, yeah

Pardon me while I burst into flames
Pardon me, pardon me, pardon me

So pardon me while I burst into flames
I've had enough of the world and it's people's mindless games
So pardon me while I burn and rise above the flame
Pardon me, pardon me, I'll never be the same

Pardon me
Never be the same, yeah

The escaped one


I am the escaped one,
After I was born
They locked me up inside me
But I left.
My soul seeks me,
Through hills and valley,
I hope my soul
Never finds me.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Friedrich Nietzsche

“I cannot believe in a God who wants to be praised all the time.”
Sr. Saramago, ao que parece não é o único génio a pensar assim... Admiro-o pelo facto de interrogar aquilo em que ainda muita gente acredita cegamente.

Riotvan




Up rolled the riot van
And sparked excitement in the boys
But the policemen look annoyed
Perhaps these are ones they should avoid

They got a chase last night from men with truncheon's
dressed in hats
They didn't do that much wrong, still ran away though
for the laugh

"Please just stop talking
Because they won't find us if you do
Oh those silly boys in blue
Well they won't catch me and you"

"Have you been drinking son, you don't look old enough
to me"
"I'm sorry officer is there a certain age you're
supposed to be?... nobody told me"

Up rolled the riot van
And these lads just wind the coppers up
Ask why they don't catch proper crooks
Get their address and their name's took
But they couldn't care less

He got thrown in the riot van
And all the coppers kicked him in
And there was no way he could win
Just had to take it on the chin

Aqui está...



Por aqui fico, no teu olhar
Perco força sem resistir e sem mudar
Por aqui fico
O tempo pára mas logo foge Estás tão perto e tão longe
Se me visses o gesto não chega Não, não chega

Não me vês não me ouves se ao menos sonhassesNao me vês nao me ouves se ao menos sonhasses

Por aqui fico
Na tristeza caminho só
Sem pensar no que aprendi
Por aqui fico
O tempo pára mas logo foge
Estas tao perto e tao longe
Se me ouvisses um grito nao chegaÓh! Não chega

Não me vês não me ouves se ao menos sonhasses Não me vês não me ouves se ao menos sonhasses

(...)

Não me vês nao me ouves se ao menos sonhasses
Não me vês nao me ouves se ao menos sonhasses
Não me vês nao me ouves se ao menos sonhasses
Não me vês nao me ouves se ao menos sonhasses

domingo, 11 de outubro de 2009

Duplo espaço


O Sr. Bentley acredita que cada espaço contém em si outro espaço no qual o seu duplo habita, actua. Crê que os dois espaços se interceptam e contaminam. O Sr. Bentley tem um gato, porém cuida ser possível o duplo ter um cão - com idêntico nome. Se o Sr. Bentley urrasse: "Sam? Sam! Sacana, onde te meteste?!" e lhe aparecesse, cabisbaixo, de rabo entre pernas (jamais o orgulhoso felino se comportaria tão miseravelmente), o cão reconhecendo-o como dono, ele julgaria normal, comum. Estranharia, quiçá, que a tal realidade invisível (alternativa...) não tivesse tocado a sua antes. Para ele a troca é (seria) prova incontestável da ordem do Universo. Só um Universo trocado estaria composto.
O Sr. Bentley põe o totoloto todas as semanas. Tem uma chave que nunca modifica. Ele acredita na natureza sagrada dos números porque, de acordo com o colega de trabalho, há muito deixou de ter fé na natureza sagrada dos homens. Quando matou a mulher por ela se ter esquecido de pôr o totoloto na semana em que o primeiro prémio saiu à chave do Sr. Bentley, a descrença nos homens que o colega adivinhara apenas se confirmou. Melhor: materializou.
E contudo o Sr. Bentley supunha ser o duplo o verdadeiro assassino (não obstante a cristalizada lembrança das suas mãos fixas no pescoço da esposa). Devido à esdrúxula teoria de espaços no interior de espaços, não se surpreende ao ser preso e acusado do crime que, para si, foi de facto cometido pelo duplo invisível.
Só o colega fez a acertada ilação: a Sra. Bentley tinha posto o totoloto atempadamente. E guardara o recibo. A Sra. Bentley planeava safar-se com o dinheiro - e o amante.
- E a massa...?
- Alguém levantou o cheque.
- Mas quem?
O colega ergueu os ombros e fez uma festa a Sam.


Junho'02
(Ágata Ramos)

Arte é isto

"A crença de que em Arte a Forma é tudo, enquanto que a
Emoção reduzida ao seu esqueleto psíquico é uma simples
relação abstracta, que ocupa um lugar secundário na obra de
arte - tem predominado desde sempre na Crítica com raras
excepçôes.
O que distingue a Arte das outras manifestações da vida
mental é muito essencialmente a Forma - diz-se.
O Ritmo é tudo. Acessível unicamente a algumas cria-
turas de eleição, o Ritmo será inevitavelmente profanado
pela grosseria da trivialidade bárbara: é a teoria da Arte pela
Arte, impelida às suas últimas consequências pelos flauber-
tianos. E assim era que o autor de Madame Bovary procla-
mava que escrevia tão-somente para doze criaturas.
E assim era que do mesmo modo Renan defendia que só
alguns espíritos de élite tinham o direito de negar Deus, que
devia ser imposto às multidões ignaras. Sempre e funda-
mentalmente um católico, este livre-pensador!
Felizmente os aristocratas intelectuais sumiram-se na grande
convulsão de Justiça que sacode as sociedades de hoje.
A teoria da Arte pela Arte só a defendem hoje uns pobres
impotentes que esfregam a sua incapacidade pelas esquinas
dos botequins.
Mas a crença de que a Forma em Arte é essencial ainda
surge de onde a onde, como uma superstição mal apagada.
E assim era que Ruskin, ao reclamar arte simples, ingénua na
forma, para ser apercebida da mentalidade popular, impli-
citamente confessava que a Arte, tal como até então ela era
expressa, escapava à afectividade de quase todos.
Na realidade o que escapava ao senso estético das mul-
tidões não era precisamente a Forma, mas sim a essência da
obra de arte, o esqueleto da Emoção enfim.
E tanto assim era que a teoria de Ruskin foi realizada, sem
frutificar: fez-se uma reversão à estilização primitiva: o pré-
-rafaelismo desfraldou as suas bandeiras; mas as massas con-
tinuaram na indiferença de até ali, inertes, inestésicas.
É que, se os sentimentos estilizados numa obra de arte
estão fora da esfera afectiva do público, este, claramente, não
percebe, não sente, não vibra em harmonia com o artista, e a
obra de arte é-lhe indiferente em absoluto.
Já em alguma parte tive ocasião de afirmar que, a meu
ver, o grande problema da educação estética, moral, social,
científica, consistia em fazer ascender as multidões às culmi-
nâncias da vida psíquica e não em apear a Arte do altissimo
plinto onde o homem a entronou.
Isso sim, que é evolucionar; o contrário seria regressar,
Não há uma Ciência popular, nem uma Arte popular por
assim dizer; melhor: a capacidade científica e estética do povo
é reduzida, embrionária, amorfa ainda; o cérebro do povo só
armazena ideias rudimentares, a sua alma só sente as emoções
mais elementares. Exponham a um cavador o melhor da
filosofia spenceriana, tentem fazer-lhe compreender uma lei
de Newton ou Berthelot, declamem-lhe Shakespeare, Goethe,
Ibsen, ou qualquer dos poemas de Antero - e verão o homem
bocejar de desprezo. É ver o ar de desdém com que os natu-
ralistas são apodados de doidos nas suas excursões cientí-
ficas pelas aldeias.
Poderíamos inferir de aqui que, visto a Arte não ter uma
imediata utilidade para as maiorias, está por esse facto conde-
nada? Não; de modo nenhum.
Isso seria condenar a Ciência também, pelo menos a ciên-
cia pura. E o que é preciso condenar é o maquinismo social,
que engendra e perpetua um tal desequilíbrio, uma desar-
monia que está gritando contra todas as leis da Natureza.
É por isso que John Ruskin, esse sonhador que será eter-
namente amado, se enganava quando, numa febre de justiça,
num ímpeto de revolta contra a pirâmide esmagadora,
sofrendo do sofrimento dos desgraçados, pedia uma Arte
para o Povo; o que ele devia reclamar, o grande idealista, era
um Povo para a Arte.
A própria história da Arte vem pugnar por este princí-
pio: o teatro grego, a escultura grega, a Arte helénica em
suma, que hoje apenas é compreendida por uma minoria
desesperadora - foi uma Arte nacional, uma Arte que os
Helenos, desde o mais humilde camponês ao mais requintado
dos estetas, compreendiam, sentiam e amavam.
Parafraseando a expressão de M. Duval, a Arte era uma
língua materna, era como o ar puro do céu da pátria, ar que
todos, mesmamente sôfregos, respiravam, na mesma avidez
de luz, na mesma ânsia de vida."

A carta da paixão


Esta mão que escreve a ardente melancolia
da idade
é a mesma que se move entre as nascenças da cabeça,
que à imagem do mundo aberta de têmpora
a têmpora
ateia a sumptuosidade do coração. A demência lavra
a sua queimadura desde os seus recessos negros
onde se formam
as estações até ao cimo,
nas sedas que se escoam com a largura
fluvial
da luz e a espuma, ou da noite e as nebulosas
e o silêncio todo branco.
Os dedos.
A montanha desloca-se sobre o coração que se alumia: a língua
alumia-se: O mel escurece dentro da veia
jugular talhando
a garganta. Nesta mão que escreve afunda-se
a lua, e de alto a baixo, em tuas grutas
obscuras, essa lua
tece as ramas de um sangue mais salgado
e profundo. E o marfim amadurece na terra
como uma constelação. O dia leva-o, a noite
traz para junto da cabeça: essa raiz de osso
vivo. A idade que escrevo
escreve-se
num braço fincado em ti, uma veia
dentro
da tua árvore. Ou um filão ardido de ponto a ponta
da figura cavada
no espelho. Ou ainda a fenda
na fronte por onde começa a estrela animal.
Queima-te a espaçosa
desarrumação das imagens. E trabalha em ti
o suspiro do sangue curvo, um alimento
violento cheio
da luz entrançada na terra. As mãos carregam a força
desde a raiz
dos braços a força
manobra os dedos ao escrever da idade, uma labareda
fechada, a límpida
ferida que me atravessa desde essa tua leveza
sombria como uma dança até
ao poder com que te toco. A mudança. Nenhuma
estação é lenta quando te acrescentas na desordem, nenhum
astro
é tao feroz agarrando toda a cama. Os poros
do teu vestido.
As palavras que escrevo correndo
entre a limalha. A tua boca como um buraco luminoso,
arterial.
E o grande lugar anatómico em que pulsas como um lençol lavrado.
A paixão é voraz, o silêncio
alimenta-se
fixamente de mel envenenado. E eu escrevo-te
toda
no cometa que te envolve as ancas como um beijo.
Os dias côncavos, os quartos alagados, as noites que crescem
nos quartos.
É de ouro a paisagem que nasce: eu torço-a
entre os braços. E há roupas vivas, o imóvel
relâmpago das frutas. O incêndio atrás das noites corta
pelo meio
o abraço da nossa morte. Os fulcros das caras
um pouco loucas
engolfadas, entre as mãos sumptuosas.
A doçura mata.
A luz salta às golfadas.
A terra é alta.
Tu és o nó de sangue que me sufoca.
Dormes na minha insónia como o aroma entre os tendões
da madeira fria. És uma faca cravada na minha
vida secreta. E como estrelas
duplas
consanguíneas, luzimos de um para o outro
nas trevas.

Herberto Helder

As cartas escrevem-se pelas paredes


Deixei que os vizinhos saíssem primeiro,
antes de toda a gente, como se eles não fossem
o que são, quando eu durmo.

Uma coisa é vergar uma barra de aço,
outra é acordar o que não dorme.

Como dois olhos inúteis, assim se
viam as minhas mãos, quando a casa era
estéril e a música não tocava.

Em todos os corredores, uma marca
de fogo nas paredes, ardendo como água,
calcinando as memórias que estendi
por elas, de alto a baixo

um papel de parede longínquo e
absorto de mim próprio.

Ensinei-me a ler para conseguir
que as tuas cartas fizessem sentido,
quando mas mandavas:

estendia à luz aquele papel azul,
com enfeites de uma só cor espalhados
aleatoriamente pela folha - no meu tempo
não entendia nada

agora quando olho para a folha
consigo ver-te.

E mesmo assim parece que continuas sem
me responder. Os dias semeam-se entre as
minhas palavras. Não acaricio o rosto já, com medo
do que vem depois.

Parece que as mãos se tornaram pedaços de
ferro, frias, sólidas - já não se desfazem
enquanto te escrevo a carta:



Ontem foi um dia tarde demais. Ontem, as crianças
jogavam no parque.

Hoje, se retornar, não estarão mais lá. Saíram
sem aviso, foram-se embora, cansaram-se de tanto
olhar um pedaço vazio de mundo, onde velhos
se contorcem para fingir que ouvem, enquanto se
deleitam com retratos a carvão e palavras
sem sentido.

Tudo lhes causa transtorno, nos dias que correm.
Outro dia, foi um jovem que se perdeu. Pegou nas
coisas que tinha, zarpou mundo fora como se ele
ainda existisse - sem medo.

Mas outros dias há muitos. Jovens que partem
há-os todos os dias, nós é que nunca os contámos.

E eu nunca parto. Fico sempre aqui, de mochila às costas,
sobretudo na mão, o livro na outra, e uma carta
na algibeira, de tinta já gasta e envelope
um pouco encardido.

Por isso mesmo, quando me preparo para partir,
sento-me - como se estivesse a curar um cansaço que
ainda não me tomou.

Como se as minhas mãos já tivessem escrito milhentas
páginas de coisas sem sentido, de textos sem
morada ou sem remetente definido - enfim, coisas.


Coisas como as praias. Praias como coisas.
Textos como poemas. Poemas como não-textos.

E barras de aço sem sentido. Daquelas que quebram
ao mínimo toque, mesmo que seja uma carícia. Mesmo
que as nossas mãos se unam e encenem um gesto
meigo e lento - como a nossa face a olhar o mundo -
como o mundo a perder-se lentamente pelas pálpebras
que já não se fecham.

À noite é quando tudo se junta dentro de nós,
e se estende pelo chão. Aí, cria-se ininterruptamente
uma vontade de varrer o soalho para que nenhuma
outra cara grite mais, como se as paredes tivessem
vida

e nós não.

As cartas escrevem-se pelas paredes - é esta a verdade
que o mundo segura. E as chamas de isqueiro todos
os cigarros todos os acidentes todas as nascenças
mortes descalabros guerras balas tudo isto
tem um sentido

mas o dos textos, esse, ainda o procuro.
Por isso é que escrevo cartas, ainda que só hoje
tenha aprendido a ler as tuas.


de: Sérgio Xerepe

O homem de veludo

"Um homem de veludo
atravessa a estrada.
Com ele leva a leveza do ser,
sustenta-a, com dificuldade.
Pára, sucedendo-lhe a brandura,
o costume de parar,
seguido do ímpeto de continuar.
Sorri ao passeio,
ao calcário, ao ornamento.
O homem de veludo necessita de se encontrar.
Regressa à estrada,
deita-se cuidadosamente numa faixa branca,
criteriosamente escolhida para descansar.
O homem de veludo quer descansar.
A travessia é amorfa, demorada, silente.
Ao deitar-se cruza os braços, fecha os olhos,
e sente o cheiro das madeiras.
O homem de veludo é agora tolhido de movimento,
caem-lhe lágrimas familiares no rosto,
e não pode fazer nada"

Silente grito


"Silente grito
aspergido pela saudade
nos meus veios circunscrito.

Capaz de derramar
gotículas longínquas de presença ,

de tacanha fragilidade.

Silente grito caminhante ,
viajante sem bagagem
rumo a um norte fátuo."

Noites que descansavam nas minhas palavras

"Haviam noites que descansavam nas minhas palavras
enquanto eu dormia. Ouviam-me a vontade de
acordar pouco. Seguravam-me as pálpebras e ,
hoje sei que era para meu bem. Acho detestável
ter que acordar todos os dias , pouco que seja.
Continua a apetecer-me gritar nas paredes
que não acordo , mas cada vez mais
menos sei o que dizer: E da noite se fez dia,
dos dias nasceu a noite.
Tal como com o ovo e a galinha também a mim
se coloca frequentemente uma dúvida ,
em noites que descansavam nas minhas palavras ,
e essa dúvida era a de acordar , pouco que fosse."

sábado, 10 de outubro de 2009

Tu...

Deixarei os jardins a brilhar com seus olhos
detidos: hei-de partir quando as flores chegarem
à sua imagem. Este verão concentrado
em cada espelho. O próprio
movimento o entenebrece. Mas chamejam os lábios
dos animais. Deixarei as constelações panorâmicas destes dias
internos.


Vou morrer assim, arfando
entre o mar fotográfico
e côncavo
e as paredes com as pérolas afundadas. E a lua desencadeia nas grutas
o sangue que se agrava.


Está cheio de candeias, o verão de onde se parte,
ígneo nessa criança
contemplada. Eu abandono estes jardins
ferozes, o génio
que soprou nos estúdios cavados. É a cólera que me leva
aos precipícios de agosto, e a mansidão
traz-me às janelas. São únicas as colinas como o ar
palpitante fechado num espelho. É a estação dos planetas.
Cada dia é um abismo atómico.


E o leite faz-se tenro durante
os eclipses. Bate em mim cada pancada do pedreiro
que talha no calcário a rosa congenital.
A carne, asfixiam-na os astros profundos nos casulos.
O verão é de azulejo.
É em nós que se encurva o nervo do arco
contra a flecha. Deus ataca-me
na candura. Fica, fria,
esta rede de jardins diante dos incêndios. E uma criança
dá a volta à noite, acesa completamente
pelas mãos.~

By: Herberto Helder

Estranho amor

"Dava pelo nome muito estrangeiro de Amor, era preciso chamá-lo
sem voz - difundia uma colorida multiplicação de mãos, e aparecia
depois todo nu escutando-se a si mesmo, e fazia de estátua durante um
parque inteiro, de repente voltava-se e acontecera um crime, os jornais
diziam, ele vinha em estado completo de fotografia embriagada, desco-
bria-se sangue, a vítima caminhava com uma pêra na mão, a boca estava
impressa na doçura intransponível da pêra, e depois já se não sabia o
que fazer, ele era belo muito, daquela espécie de beleza repentina e
urgente, inspirava a mais terrível acção do louvor, mas vinha comer às
nossas mãos, e bastava que tivéssemos muito silêncio para isso, e então
os dias cruzavam-se uns pelos outros e no meio habitava uma montanha
intensa, e mais tarde às noites trocavam-se e no meio o que existia agora
era uma plantação de espelhos, o Amor aparecia e desaparecia em todos
eles, e tínhamos de ficar imóveis e sem compreender, porque ele era
uma criança assassina e andava pela terra com as suas camisas brancas
abertas, as suas camisas negras e vermelhas todas desabotoadas."

domingo, 4 de outubro de 2009

Cardigans



I don't know what you're looking for
you haven't found it baby, that's for sure
You rip me up and spread me all around
in the dust of the deed of time
And this is not a case of lust, you see
it's not a matter of you versus of me
It's fine the way you want me on your own
but in the end it's always me alone
And I'm losing my favourite game
you're losing your mind again
I'm losing my babylosing my favourite game
I only know what I've been working for
another you so I could love you more
I really thought that I could take you there
but my experiment is not getting us anywhere
I had a vision I could turn you right
a stupid mission and a lethal fight
I should have seen it when my hope was new
my heart is black and my body is blue
And I'm losing my favourite game
you're losing your mind again
I'm losing my favourite game
I've tried but you're still the same
I'm losing my baby
you're losing a saviour and a saint

Vertigem


"O que é vertigem? Medo de cair? (...) Vertigem não é o medo de cair, é outra coisa. É a voz do vazio debaixo de nós, que nos atrai e nos envolve, é o desejo da queda do qual nos defendemos aterrorizados."

Envelhecer é isso


"Uma pessoa envelhece lentamente: primeiro envelhece o seu gosto pela vida e pelas pessoas, sabes, pouco a pouco torna-se tudo tão real, conhece o sginificado das coisas, tudo se repete tão terrível e fastidiosamente. Isso também é velhice. Quando já sabe que um corpo não é mais que um corpo. E um homem, coitado, não é mais que um homem, um ser mortal, faça o que fizer... Depois envelhece o seu corpo; nem tudo ao mesmo tempo, não, primeiro envelhecem os olhos, ou as pernas, o estômago, ou o coração. Uma pessoa envelhece assim, por partes. A seguir, de repente, começa a envelhecer a alma: porque por mais enfraquecido e decrépito que seja o corpo, a alma ainda está repleta de desejos e de recordações, busca e deleita-se, deseja o prazer. E quando acaba esse desejo de prazer, nada mais resta que as recordações, ou a vaidade; e então é que se envelhece de verdade, fatal e definitivamente. Um dia acordas e esfregas os olhos: já não sabes porque acordaste. O que o dia te traz, conheces tu com exactidão: a Primavera ou o Inverno, os cenários habituais, o tempo, a ordem da vida. Não pode acontecer nada de inesperado: não te surpreeende nem o imprevisto, nem o invulgar ou o horrível, porque conheces todas as probabilidades, tens tudo calculado, já não esperas nada, nem o bem, nem o mal... e isso é precisamente a velhice."
Sándor Márai, in 'As Velas Ardem Até ao Fim'

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Á venda numa tasquinha regional perto de si



Cachorro especial completamente natural... Preço: 12.50€ com oferta da bebida e um martelinho para lhe bater na cabeça, caso o animal comece a espenear muito!

sábado, 26 de setembro de 2009

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas segundos para destruí-la, e que poderás fazer coisas das quais te arrependerás para o resto da vida. Aprendes que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. E o que importa não é o que tens na vida, mas quem tens na vida. E que bons amigos são a família que nos permitiram escolher. Aprendes que não temos que mudar de amigos se compreendemos que os amigos mudam, percebes que o teu melhor amigo e tu podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. Descobres que as pessoas com quem tu mais te importas são tiradas da tua vida muito depressa, por isso devemos sempre despedir-nos das pessoas que amamos com palavras amorosas, pode ser a última vez que as vejamos. Aprendes que as circunstâncias e os ambientes têm influência sobre nós, mas nós somosresponsáveis por nós mesmos. Começas a aprender que não te deves comparar com os outros, mas com o melhor que podes ser. Descobres que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se quer ser, e que o tempo é curto. Aprendes que, ou controlas os teus actos ou eles te controlarão e que ser flexível nem sempre significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, existem sempre os dois lados.Aprendes que heróis são pessoas que fizeram o que era necessário fazer enfrentando as consequências. Aprendes que paciência requer muita prática. Descobres que algumas vezes a pessoa que esperas que te empurre, quando cais, é uma das poucas que te ajuda a levantar.Aprendes que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que tiveste e o que aprendeste com elas do que com quantos aniversários já comemoraste. Aprendes que há mais dos teus pais em ti do que supunhas. Aprendes que nunca se deve dizer a uma criança que sonhos são disparates, poucas coisas são tão humilhantes e seria uma tragédia se ela acreditasse nisso. Aprendes que quando estás com raiva tens o direito de estar com raiva, mas isso não te dá o direito de ser cruel.Descobres que só porque alguém não te ama da forma que desejas, não significa que esse alguém não te ama com tudo o que pode, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. Aprendes que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes tens que aprender a perdoar-te a ti mesmo.Aprendes que com a mesma severidade com que julgas, poderás ser em algum momento condenado. Aprendes que não importa em quantos pedaços o teu coração foi partido, o mundo não pára para que tu o consertes. Aprendes que o tempo não é algo que possa voltar para trás.Portanto, planta o teu jardim e decora a tua alma, ao invés de esperares que alguém te traga flores. E aprendes que realmente podes suportar mais...que és realmente forte, e que podes ir muito mais longe depois de pensar que não se pode mais. E que realmente a vida tem valor e que tu tens valor diante da vida!"

Será assim?

"Sei o que quero. E sei o que posso.
As circunstâncias que me levaram até ao que sou hoje nunca seriam suficientemente interessantes. Interessa-me o que posso ser. Interessa-me o que sou. Interessa-me o pensamento, o sentimento, o espírito.
Interessam-me com fascínio estranho os obstáculos, desafios, buracos que obrigam ao salto, descidas rápidas, mas mantenho um pé na prudência, no juízo.
O percurso das vidas transforma-se em igual. Interessa quando se pára, analisa, pesquisa, quando se é diferente sem se tentar ser diferente, original, único, inédito nas acções, nas ideias, nas palavras.
Qual é o meu retrato? Como me desenho? Procuro sem ansiedade ou desassossego mas anseio pelo próximo passo.
E o que me move é e será sempre o pensamento, a ideia. Descobri-los.
Não o pensamento inteligente, o pensamento lateral, criativo, perspicaz ou criador.
Nem é o pensamento da vida, sobre a vida, pela vida no seu aspecto mais amplo ou transcendente. Ou o pensamento filosofal, exagerado, circunscrito às ideias e ampliado ao universo.
Mas o pensamento sobre as coisas, sobre as pessoas, sobre os objectos e as imagens. Um pensamento tão simples que é o de todos os dias e talvez o de todas as pessoas mas que de vez em quando se transforma na ideia brilhante, no texto exemplar ou simplesmente no que procuro ser. De vez em quando.
E este é o meu retrato."

Encontra-se no segundo impacto.

Os verdadeiros burros e os falsos loucos

"O mais esperto dos homens é aquele que, pelo menos no meu parecer, espontâneamente, uma vez por mês, no mínimo, se chama a si mesmo asno..., coisa que hoje em dia constitui uma raridade inaudita. Outrora dizia-se do burro, pelo menos uma vez por ano, que ele o era, de facto; mas hoje... nada disso. E a tal ponto tudo hoje está mudado que, valha-me Deus!, não há maneira certa de distinguirmos o homem de talento do imbecil. Coisa que, naturalmente, obedece a um propósito.Acabo de me lembrar, a propósito, de uma anedota espanhola. Coisa de dois séculos e meio passados dizia-se em Espanha, quando os Franceses construíram o primeiro manicómio: «Fecharam num lugar à parte todos os seus doidos para nos fazerem acreditar que têm juízo». Os Espanhóis têm razão: quando fechamos os outros num manicómio, pretendemos demonstrar que estamos em nosso perfeito juízo. «X endoideceu...; portanto nós temos o nosso juízo no seu lugar». Não; há tempos já que a conclusão não é lícita. "

Fiodor Dostoievski, in "Diário de um Escritor"

Frivolidade

"O respeito que a tragédia inspira é muito mais perigoso do que a despreocupação de um chilrear de criança. Qual é a eterna condição das tragédias? A existência de ideias, cujo valor é considerado mais alto do que o da vida humana. E qual é a condição das guerras? A mesma coisa. Obrigam-te a morreres porque existe, dizem, alguma coisa que é superior à tua vida. A guerra só pode existir no mundo da tragédia; desde o começo da sua história, o homem apenas conheceu o mundo trágico e não é capaz de sair dele. A idade da tragédia só pode ser encerrada por uma revolta da frivolidade. As pessoas já só conhecem da Nona de Beethoven os quatro compassos do hino à alegria que acompanham a publicidade dos perfumes Bella. Isso não me escandaliza. A tragédia será banida do mundo como uma velha cabotina que, com a mão no peito, declama em voz áspera. A frivolidade é uma cura de emagrecimento radical. As coisas perderão noventa por cento do seu sentido e tornar-se-ão leves. Nessa atmosfera rarefeita, desaparecerá o fanatismo. A guerra passará a ser impossível."

Milan Kundera, in "A Imortalidade"

Um recado

A poesia eternamente sinónimo de melancolia, casou-se obrigada com a tristeza, a mágoa e o pesar. Sinónimo de inteligência da mente e do espírito foi sendo considerada como o género literário mais difícil de compreender e de alcançar.Usada tanto na oralidade como na escrita, a poesia significou sempre um lado triste de alguém, ou o lado sincero.Sempre o compreendi. Sempre me revi na poesia escura e nas palavras duras e sérias e também naquelas vagas, nas metáforas que se compreendem à terceira e no significado que parece ser o nosso. E que e é capaz de ser tão incrivelmente simples.Na vida, não pode ser igual. A poesia não pode estar ligada ao nosso corpo como a nossa figura. Deve sobrepor-se como uma capa e uma mentira se for preciso. A vida não é o que se escreve.Um dia achei que sim quando me entreguei por completo e as palavras eram mais palavras (achava eu) se as sentisse como elas se designam.A morte, o frio, a solidão, a saudade. E tinha que sentir a morte, o frio, a solidão e a saudade.E as palavras chegavam lindas, com um significado imenso, carregadas de sentimento que os outros nunca compreenderiam porque é bom ser-se incompreendido na poesia, e eu chorava e queria morrer e estava bem ali, naquele fundo imenso, naquele abismo cheio de palavras e cheio de sentimentos e sem nenhuma e qualquer vida.Não interessava, porque no caderno tinha tudo e um dia... sempre o sentimento utópico de que um dia, alguém iria saber.Os outros deixaram de ser importantes, não precisava de ninguém para escrever, essa ausência alimentava-me, sustentava-me. E a vida passava. Passava sem que me importasse.Lá fora havia as coisas que escrevia e adivinhava. Havia as pessoas que me amavam como nunca um livro me poderia amar e conheciam-me como nunca um poema meu o poderia fazer.Não interessava, porque o meu buraco escuro conhecia-me, achava eu. E a vida lá fora era fraca, débil, superficial. Na poesia criava o meu mundo e a minha vida tinha interesse e conteúdo e linhas e páginas.Até que um dia, no dia mais triste da minha vida, não fui capaz de olhar directamente nos olhos da minha mãe.E como se eu fosse doente, procurou os meus olhos e não me conhecia.Escrever era um corte que diariamente me aliviava os braços e as pernas e o corpo todo. E os outros não me faziam falta até ali.E nos piores sentimentos que procurei na poesia, encontrei-o ali. À minha frente. Não fui reconhecida por quem estava mais perto.E sem deixar de lado a minha vida, a minha poesia, aquilo que ainda hoje me faz chorar e sorrir, puxei para mim aqueles, que hoje me fazem escrever.

By: Maria Ana

Ambiçao...

No dia-a-dia, contento-me com o meu trabalho que me parece sempre suficiente até começar a pensar realmente nele. De repente, sou atingido por um vento forte de ambição e empreendedorismo. Eu vou fazer isto! Eu podia fazer aquilo!Pego num caderno, olho para a folha, preparo a caneta e procuro as ideias.
Dura 2 minutos.Lá vão elas.

In: http://segundoimpacto.blogspot.com/

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

O livre arbítrio não existe.

"O livre arbítrio não existe.Contemplando uma cascata, acreditamos ver nas inúmeras ondulações, serpenteares, quebras de ondas, liberdade da vontade e capricho; mas tudo é necessidade, cada movimento pode ser calculado matematicamente. O mesmo acontece com as acções humanas; poder-se-ia calcular antecipadamente cada acção, caso se fosse omnisciente, e, da mesma maneira, cada progresso do conhecimento, cada erro, cada maldade. O homem, agindo ele próprio, tem a ilusão, é verdade, do livre-arbítrio; se por um instante a roda do mundo parasse e houvesse uma inteligência calculadora omnisciente para aproveitar essa pausa, ela poderia continuar a calcular o futuro de cada ser até aos tempos mais distantes e marcar cada rasto por onde essa roda a partir de então passaria. A ilusão sobre si mesmo do homem actuante, a convicção do seu livre-arbítrio, pertence igualmente a esse mecanismo, que é objecto de cálculo. "

Friedrich Nietzsche, in 'Humano, Demasiado Humano'

sábado, 5 de setembro de 2009

Escrever

Escrever é não aguentar mais guardar a alma.
É largar o peso das palavras e fugir a sete pés.
Escrever é quando a vida se mente a si mesma e tudo são flores e rios e céus azuis e passarinhos queridos e velhinhos felizes de mãos dadas.
Escrever é quando a vida se revela sem piedade e tudo é guerra.
Escrever é paixão.
É a vontade, a saudade estranha e a que existe.
Escrever é a tristeza.
A grande e a pequena tristeza.
Escrever é ter um filho, perder um lápis, querer um gelado.
Escrever é casar, fugir, esquecer.
Escrever é amar o mundo e desejar que nunca existisse.
É viver numa ilha e estar preso no meio da multidão.
É perder o tempo com nada e não haver tempo para tudo.
É chorar sem porquês, rir sem porquês, viver sem porquês.

Escrever é estar aqui para sempre.

Em: Segundo impacto

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

And so it is...


A música que acaba com um grande filme ("closer")... Baseado, ao que parece, no livro de kundera, "a insustentavel leveza do ser"... Grande por si só, enorme pela contextualizaçao no filme...

domingo, 23 de agosto de 2009

Starsailor

Hoje andava por aqui a tentar encontrar-me nas minhas músicas e voltei a encontrar uma banda que sempre me disse alguma coisa...


sábado, 22 de agosto de 2009

"Aquelas musicas"

Há musicas que ficarão sempre, ora por marcarem um dia, ora por marcarem uma etapa... Estas sao algumas que de certa forma me marcaram e hão-de continuar a marcar...




Vanilla sky

Um dos melhores, quanto a mim, filmes do mundo...
"Não é um simples filme, é uma experiência. Tom Cruise dá o melhor de si numa performance digna de Oscar no papel do playboy David Aames. O filme acerta ao mergulhar na mente e no psicologico de seu protagonista, tornando-se uma análise da vaidade e do comportamento masculino. Simplesmente demais..."

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Nada!


Se tivessemos noçao do ridículo em que caímos diariamente, acredito que mudaríamos por completo a nossa forma de viver...


Se há alguma coisa mais aborrecida que desempenhar as tarefas exigidas a nós hoje, é pensar no que nos vai tocar amanhã. Sim porque pensar no futuro tem esse defeito, estragar o presente por o imaginarmos igual ou pior que o hoje, ou entao faze-lo tao perfeito que provavelmente o amanha fará com que essa perfeiçao hoje imaginada fique muito aquem daquilo que esperavamos, causando aquele sentimentozinho de decepçao... E agora pergunto-me... Porquê que pensamos no amanha se na realidade ele pode nao chegar, porque é que defenimos metas, quando podemos viver como se nao houvesse amanha e provavelmente ultrapassar essas metas programadas?

Isto faz-me lembrar algo que li algures...


"O que pensamos é menos do que sabemos;
O que sabemos é menos do que amamos;
O que amamos é muito menos do que "tudo o que existe"
e até a esse ponto só sei que somos muito menos
do que deveríamos ser..."

E depois, "no fim, quase fomos o que queremos"...


Amigos


Quer queiramos quer nao, as aparencias nunca irao passar disso mesmo, aparencias... Não escolho os meus amigos, eles simplesmente vao aparecendo, vão ficando e vão-se tornando importantes... E eu, como quase todos nós, sou um bocadinho dos meus amigos, aprendo com eles, cresço com eles e sobretudo conto com eles para todos os imprevistos que possam surgir...

A voces dedico este texto de Oscar Wilde:


"Meus amigos são todos assim: metade loucura, outra metade santidade.Escolho-os não pela pele, mas pela pupila, que tem brilho questionador e tonalidade inquietante.Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.Deles não quero a resposta, quero meu avesso.Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim.Para isso, só sendo louco.Louco que senta e espera a chegada da lua cheia.Quero-os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.Escolho meus amigos pela cara lavada e pela alma exposta.Não quero só ombro ou o colo, quero também sua maior alegria.Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.Pena, não tenho nem de mim mesmo, e risada, só ofereço ao acaso.Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fontede aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.Não quero amigos adultos, nem chatos.Quero-os metade infância metade velhice.Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto, e velhos, para que nunca tenham pressa.Tenho amigos para saber quem sou, pois vendo-os loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que a normalidade é uma ilusão imbecil e estéril."


Obrigado.

O principio do fim

"A idade vai comendo a vida.Vai ratando o futuro, e nós (eles) a verem.Acorda-se com um dia a menos, e adormece-se com um dia a mais.O calendário vai-nos mudando o corpo.Vai-nos empurrando as costas, para a queda ser pequena.Os velhos sabem de cor o chão.Como quem sabe que está quase a chegar lá.Desde que perdi a minha avó, que ganhei o respeito por quem mora no terceiro andar da idade.Perde-se para ganhar.E assim foi. Emociona-me.Que vida inteira pode ser sentada sozinha, num banco de jardim?Com a idade, nunca escolhem o meio, sempre o fim do banco.Em crianças, ter-se-iam sentado na outra ponta?E deixam-se estar.Respiram como podem. Os olhos já não procuram nada. Já viram tudo.Vão guardando o passado em rugas, para libertar a cabeça.Em que pensam?Na morte? Os velhos não vivem. Deixam-se viver.Os filhos já tem a vida deles, não os querem.Tem de ir viajar e fazer compras para o jantar."O pai tem estado bem? Então vá, um beijinho."Picaram o ponto, e para eles está feito.Os novos choram com o corpo todo, gritam e fazem caras de quem sofre.Os velhos choram só com os olhos, que o resto não se vê.E assim o fazem, no fim do telefonema.Ninguém os quer com as doenças cheias de idade.As mãos da idade cheiram a tudo, com as veias cansadas de mostrar o sangue a toda a gente.As pernas vão perdendo caminho.Os braços deixam de abraçar.O coração começa a falhar, já bateu demais mesmo para quem amou pouco.Vai-se esquecendo de bater.E uma noite, sem avisar, desaprende.Desliga os olhos e atira o corpo para o fim.Ocupam agora o banco todo.Do principio ao fim, todo ele é corpo.E os filhos, cansados de telefonar, resmungam.Morreram oitenta e dois anos, e nem mais um dia.A cidade não pára, o mundo não interrompe, nada.Os filhos enterram vinte anos, e guardam os outros sessenta e dois.Os últimos vinte davam trabalho e de pouco valiam.Não tem vagar para os guardar.Mas de hoje em diante, esses vinte vão acordá-los todos os dias.Até se deitarem sozinhos no banco que os vai deitar."

Doi



"Dói-me. Dói-me muito. E não sei onde. Dói-me quando olho para ti, quando te vejo já ao longe, de cigarro encarcerado entre os teus dedos tão monstruosamente pequeninos. Dói-me saber que só te volto a ver quando já for tarde, e quando a dor se cansar de tanto me cansar. Tenho as mãos suadas e o coração a transpirar de tanto dar voltas e revira-voltas.Dava tudo para saber estancar o palmo e meio de rasgo que me fazes na carne, não para o fazer, mas só para saber como actuar em caso de extrema urgência, que de urgência já eu vivo.Dói-me muito, mas não sei onde. Se agora mesmo entrasse nas portas cansadas de um qualquer hospital, ficaria dia e meio para explicar onde e o que me dói. E ainda assim, dia e meio depois, estaria exactamente no mesmo ponto da conversa. Estaria de frente para uma bata branca, curvado de dores, de soro a violar-me o braço e o sangue, e de coração semi-risonho, como uma criança que faz das suas e olha para o lado para que ninguém a veja. "Juro que me dói senhor doutor, juro-lhe." De que vale explicar uma dor a quem nunca a sentiu?A dor que me causas passa os limites de cinco países juntos.Apetece-me beber-te a conta-gotas.Dói-me. Dói-me muito. E quando me disseres onde, vai doer-me muito mais."

Sem cor...


"Roubei esta imagem na Rua São Sebastião da Pedreira porque... tinha a máquina fotográfica comigo. A verdade é essa. A personagem principal era um qualquer sem abrigo (a falta de abrigo rouba-lhes ainda o nome), o "jornal" era o 24 Horas, e a mesa de operações um contentor do lixo. Nos tempos que correm, poder-me-iam dizer que este mesmo contentor era uma redacção de um qualquer jornal e eu acreditaria, sem demoras. Este mesmo sem abrigo, analisando assim em close up, não deixa de ser um qualquer leitor. Quem sabe o mesmo que lê estas linhas. Este sem abrigo, que tão gentilmente se debruça sobre os restos mortais de tanta e tanta comida, pode ser, num close up ainda mais apertado, você. O que o/nos separa dele não poderá ser assim tanto. Por dentro, caro leitor que me acompanha, sou muitas vezes o homem que se deixa fotografar nesta imagem. Por dentro, numa qualquer escada que conduz às àguas furtadas da cabeça, sou assim. Preto e branco, sujo, cansado, mas de mente ocupada, e nunca, mas nunca a ler o 24 horas. O preto e branco não é um puro acaso da foto. A foto, caro leitor, está na realidade a cores. A preto e branco, vê-a quem fechou as cortinas da mente. A preto e branco, vê-a quem já não se vê a cores."
Ele roubou a fotografia, gravou o momento para nao lhe chamarmos ladrão e eu roubei-lhe o texto e a imagem e o momento.... Peço desculpa sr. Bruno Nogueira!

Obstáculos


Nao foi, de certeza, por acaso que este senhor (Oscar Wilde) disse que "A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre", se repararem á medida que vamos "conquistando" as pessoas em nosso redor, há sempre uma imagem que se vai construindo e por muito boa que possa ser até, com o passar do tempo essa mesma imagem "perde a cor", já nao ha nada de novo a acrescentar e ficamos por ali, nao evoluimos porque achamos que ja nao somos capazes de surpreender... E é por isso que deviamos sentir a necessidade de começar a descobrir novos sitios, novas pessoas. Quando "ficamos" muito tempo no mesmo sitio, as pessoas tendem a criar uma imagem, que, boa ou má, se torna muito dificil de mudar independentemente do que façamos... Nao devemos "ficar" o tempo suficiente para que nos comecem a criticar, para que nos comecem a conhecer, até porque quando isso acontecer, nao vao parar de falar da tua vida até conseguirem denegrir essa tal imagem construida quer seja com verdades ou com "falsas verdades". A partir desse momento pertenceremos a essa classe mediocre aos quais a vida lhes é tao monotona que têm de falar acerca da vida daqueles que estao á sua volta. É bom, por isso e nao só, avançar, partir até um outro sitio, onde tenhamos mais uma imagem a construir, mais um desafio a superar, mais gente a quem surpreender e sobretudo, surpreendermo-nos a nós próprios com a quantidade de desafios que conseguimos ultrapassar, á quantidade de circunstancias a que nos conseguimos adaptar.

De: Bruno Nogueira


Por vezes conhecemos um lado de uma pessoa e julgamos que esse lado é o unico com o qual podemos contar, mas por vezes essa pessoa pode ter um lado, nao menos valioso, escondido, que quando explorado é capaz de nos surpreender. Este é um desses casos, um grande humorista, criativo, original, com um excelente sentido de humor, tido como um "brincalhao", mas que surpreende pela sua capacidade em escrever.
Posso nao ser "grande", mas sou pequeno o suficiente para admitir um grande trabalho, ora aqui vai:

"As árvores dobram-se e voltam a si.
Insistem com as unhas ancoradas na terra para não perderem a morada.
Para mais do que isso falta-lhes a força.
Pessoas a apertar casacos no peito.
É sempre aí que apertam, com medo que fujam de lá as memórias penduradas por arames velhos.
Já foram bons, falta-lhes a manutenção.
Arrumam os cabelos no ponto de partida para eles começarem de novo um improviso nervoso.
Os cães ladram uns com os outros, entendem-se como podem.
Há folhas a serem empurradas rua abaixo até adormecerem junto a uma parede, onde lhes acaba a imaginação.
Contentores do lixo tentam fugir às escondidas de quem os vê.
Os semáforos abanam a cabeça a quem lhes pergunta as regras.
Os pássaros arrumam as asas em ponto morto e deixam-se levar para onde não querem.
É o vento a gritar o que pode, a organizar ideias até lhe faltar o ar.
A coreografar a terra com passos largos.
E é sempre assim.
Desarruma-se o mundo para depois se orçamentar quanto custa desarrumá-lo no sítio.
Faltarão coisas.
Mas as melhores nunca mudam de lugar."

Poema em linha recta - Alvaro de Campos




Nao sei lá o porquê, mas de cada vez que olho para este poema, consigo enquadrá-lo comigo e com quase toda a gente que conheço...

Recordo-me de algumas situaçoes, em que pessoas que se diziam "as melhores do mundo" cairam num ridiculo escusado caso tivessem a humildade suficiente para admitir que nem tudo era tao bom como parecia...
Fica aqui um texto "antigo" para o futuro...





"Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cómico criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado,
Para fora da possiblidade do soco;
Eu que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu que verifico que não tenho par nisto neste mundo.
Toda a gente que eu conheço e que fala comigo,
Nunca teve um acto ridículo, nunca sofreu um enxovalho,
Nunca foi senão - princípe - todos eles princípes - na vida...
Quem me dera ouvir de alguém a voz humana,
Quem confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó princípes, meus irmãos,Arre, estou farto de semideuses!
Onde há gente no mundo?Então só eu que é vil e erróneo nesta terra?
Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que tenho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza."

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

A abertura

Este blog será, em principio, apenas para publicar algumas coisas que vou lendo por aí... Talvez no futuro, com alguma paciencia e dedicaçao, sirva também para publicar um ou outro "delírio"...