Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2011

Foge foge bandido

Que ao menos a noite te nao traga os
fantasmas de um passado perdido, sem
alternativa futura num presente fugidio.
Que consigas pelo menos escapar deste
presente que te persegue, enquanto
lutas incessantemente com todos aqueles
que te querem "tal qual todos os outros".
Que no fim consigas fazer ver a todos aqueles
que te tentaram impedir de seres o que és,
por não teres medo do que nao virias a ser,
que afinal o que importa é o que podes ser.
Tu que enfrentaste o teu pequeno mundo, que
se foi tornando grande à medida que te foste
tornando diferente de todos os outros, hoje
espero que os tenhas feito perceber que afinal
o caminho diferente, pelo qual todos te
criticaram, foi a forma chocantemente subtil
de mostrar a tua diferença e superioridade
em relação aos demais. Que tenhas agora a
força suficiente para seres um exemplo
digno de toda a tua "viagem", até porque
agora todos esperam o teu mal, tao só e
apenas, para não terem de se arrepender.
Tu, sim tu, tu agora mereces o respeito

Para sempre!

Escrevemos para aqueles que nao nos querem, ou
até quem sabe, para aqueles que nao nos conseguem
ouvir. Escrevemos para aqueles que virão a seguir,
porque quem gosta de se manifestar, nao se limita
ao seu tempo, ao seu trajecto. Quem gosta de
escrever pensa que nao é totalmente compreendido,
pode eventualmente pensar que os outros nao podem
atingir a complexidade dos seus pensamentos, podem
até pensar que sao unicos e geniais. Ou entao
podem apenas estar a atirar com a eternidade para
umas quantas palavras, podem querer viver para
sempre no que acabam por idealizar pelo que escrevem,
podem querer viver a realidade que criaram no papel,
até podem querer viver no imaginário e fazerem deste
o seu mundo. Podem já ter percebido, que afinal o
segredo para a vida eterna está aqui, aqui sim,
no que acabei de escrever. Se "amanha" alguém ler
o que acabei de escrever, estarei a viver para sempre,
ou pelo menos estarei a viver bem mais que a maioria.
O que acabei de escrever, poderá levar-me a viver
ma…

Dia e Noite

Reparo na lentidao com que a noite cai e
imagino as mil formas como se constroi,
para daqui a nada ser "destruída" por um
novo dia que nasce. Dia esse que acabará
com toda a construçao desta bela noite...
Noite e dia "lutam" através de sempre, e
quem sabe, para sempre, e nunca se cansam
de o fazer, até porque nem são bem opostos,
tem alturas que é quase de noite, tem alturas
que é quase de dia. Alturas há, sim, em que
sao precisamente o oposto, opostos que se
respeitam, que sabem os seus limites, que
nao se ultrapassam, que nao se invadem demais.
Temos sido assim, tu dia, eu noite, temos
enfrentado várias lutas que nos transcendem,
da mesma forma que o ano ultrapassa este
pequeno ciclo noite e dia, mas esse ano em
nada interfere com a harmoniosa forma como
dia e noite vao passando, enquanto o ano os
tenta fazer perceber a sua insignificancia.
Partimos, desde sempre, do principio que eu
era "noite" e tu "dia", só nos faltou aguentar
um ou outro "ano"…

Just dream

Será que desistiram? Será que nao aguentam?
Será que afinal nao são assim tão más?
Será que sempre foi assim, desonesto,
manipulador, egoísta, será que nunca se
importou realmente com o mal que fazia
crescer à sua volta? Será que nunca pensou
em todos aqueles que desapontou, será que
se lembra das vidas que foi destruindo à
sua vergonhosa passagem? Ou será que afinal,
até era boa pessoa e aquela foi a forma de
atingir os objectivos que tinha traçado,
desde pequenino, como quem sonha ser bombeiro,
e foi "obrigado" a agir sempre sem pensar em
todos os que o rodeavam? Será que se arrepende,
agora, dos amigos que deixou às suas "sortes",
dos colegas que ajudou a desempregar, será que
se lembra das famílias que prejudicou, será que
se lembra daquele pequeno menino que um dia quis
ser engenheiro e se "limitou" a ir para as obras,
será que... Será que repara que de cada vez que
prejudicou alguém foi afastando todos os que
lhe ocupavam o coraçao, sem pagar dai perceber o
afas…

De: Sylvia Beirute "Um outro poema de amor"

UM OUTRO POEMA DE AMOR


o nosso amor não tem cultura,
não tem competências ou uma só entidade
que possa ser contactada
em caso de pré-morte;
não contempla todas as regiões
de um sábado ao fim da tarde, sinos
que reverberam na lembrança
imediatamente anterior, fazendo
ligar todo o tempo.
o nosso amor não tem inesquecibilidades
penduradas ao pescoço, um coração
cercado por uma bênção branca,
não tem categorias vocais,
fundamentalismos que sejam passagens
e pontes, transições para registos
graves e inerentes à singularidade
de um perceber-se a si mesmo
em cada segundo-ilha.
o nosso amor não tem amor
e mesmo a palavra que o assinala
vai perdendo as suas sílabas.


Sylvia Beirute
inédito

Desculpem-me

Se compreendo aquelas pessoas que estranhamente
conseguem ser felizes só com o facto de estarem
a prejudicar alguém?? Compreendo claro!!
Percebo perfeitamente que em vez dessas pessoas
viverem a sua miseravelzinha vida, se queiram
meter na vida de outra pessoa qualquer, nem que
seja apenas para tentar afectar um bocadinho o
mundo dessa mesma pessoa, que por acaso se abstém
um bocadinho do que os outros fazem ou deixam de
fazer. Pois bem, essa outra pessoa que os pequeninos
miseráveis a muito custo tentam afectar por norma
não obtêm grande sucesso, bem pelo contrário,
geralmente acabam por ser vitimas dos seus próprios
esquemazinhos básicos, até porque esse outro,
aquele que evita meter-se na vidinha doutros, tem
por norma nao ter problema em admitir os "erros",
se assim lhes pudermos chamar, que vai cometendo.
Pois bem, queria apenas frisar que por muito que
tentem virar o meu mundo, ele já por si só vira,
mas vira para o lado que quero, nao deixo que
me empurrem para aí, para onde me dese…

Saramago

"Sorriso, diz-me aqui o dicionário, é o acto de sorrir. E sorrir é rir sem fazer ruído e executando contracção muscular da boca e dos olhos.
O sorriso, meus amigos, é muito mais do que estas pobres definições, e eu pasmo ao imaginar o autor do dicionário no acto de escrever o seu verbete, assim a frio, como se nunca tivesse sorrido na vida. Por aqui se vê até que ponto o que as pessoas fazem pode diferir do que dizem. Caio em completo devaneio e ponho-me a sonhar um dicionário que desse precisamente, exactamente, o sentido das palavras e transformasse em fio-de-prumo a rede em que, na prática de todos os dias, elas nos envolvem.
Não há dois sorrisos iguais. Temos o sorriso de troça, o sorriso superior e o seu contrário humilde, o de ternura, o de cepticismo, o amargo e o irónico, o sorriso de esperança, o de condescendência, o deslumbrado, o de embaraço, e (por que não?) o de quem morre. E há muitos mais. Mas nenhum deles é o Sorriso.
O Sorriso (este, com maiúsculas) vem sempre d…

Resta-te

Todos os dias damos um pequeno passo
em direcçao ao futuro, futuro esse
incerto apesar do passo firme que
acabamos de dar. Na incerteza do amanha
só nos resta tornar o hoje suportável.
Sei que muitos me chamam inconsequente
por nao pensar o suficiente no amanha,
sei que me apontam pela espontaneidade
de um ou outro acto, acto esse a que
voces acabam por chamar irreflectido.
Sim, porque isso a que "voces" vao
acabando por classificar de inconsequente,
ou irrefelectido para mim não passa apenas
de mais "um acto"ponderado, pensado e
devidamente avaliado num curto espaço
de tempo. Sei que se caminhasse pelo
caminho trilhado teria um futuro muito
mais certo, mas no entanto tao mais
igual a tantos outros que o olhamos
com ar de desprezo, chamamos "aborrecido"
e acabamos ainda por dizer que nao
queriamos nada parecido para nós.
E no fim, bem lá no fim, acabas por
reparar que esse exemplo para o qual
olhaste, um dia, nao é nada mais nada
menos que o teu passado, que acaba por
cont…