Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2012
É quase como que se o passado não tivesse valido muito,
é quase como que se todas as promessas tivessem voado
com um vento calmo, com uma brisa, que nos roubou,
silenciosamente um passado, que afinal, não era nosso.
Enganam-nos com esse falso conceito de felicidade. Fazem-nos
acreditar que somos livres para escolher o que queremos, a
forma como queremos viver, a direcção que queremos tomar,
dizem-nos que temos liberdade de expressão, acabam por nos
dar uma falsa vida. Limitam-nos a cada passo que damos com
coragem, fazem-te ter medo de arriscar, fazem-te olhar para
o erro dos outros como quem se olha ao espelho. Afinal, o que
de facto nos fizeram foi tirar-nos tudo, até o direito à luta
pela liberdade, que para todos os efeitos já foi conquistada
há muito. E no fundo, nunca realmente a provamos, como aqueles
que lutaram por se soltarem das ideias impostas pela sociedade
doutrora. Esses sim, ao soltarem-se sentiram a liberdade a
correr-lhes nas veias, no sangue... Essa brisa, essa liberdade.
O seu maior sonho era aprender a tocar guitarra.
Demorou alguns anos até poder "escrever" nas cordas
da sua guitarra. Para no fim de tudo morrer com
a corda da tão amada guitarra ao pescoço. Poderá
dizer-se que se matou pelas próprias palavras.
Tarde talvez para se lembrar de que nem sempre
se devem atingir todos os objectivos. Por vezes
chegar ao "fim" traçado muito rápido acaba por
ditar o fim prematuro de uma vida, agora, sem
sentido. Por isso é que eu deixo tudo andar,
para não chegar demasiado depressa ao fim e
além disso, ainda não sei tocar guitarra...
E foram todos os abismos dos quais consegui fugir,
foram todos os abismos que me espreitaram a alma,
todos os abismos que me leram a mente e me tentaram
a cair que me vão continuando a assustar, até porque
muitas das vezes a vontade não é fugir, é finalmente
deixar que esse abismo nos conquiste, nos enfrente,
no fundo, passámos muito tempo à espera que o abismo
do qual fugimos nos enfrente e nos convença de que
afinal cair não é o fim do mundo, mas sim o passo
certo para o tal futuro incerto de que queremos fugir.

De: Rui Costa

Poema inútil com montanha

"Vejo a montanha à minha frente pousada
Sobre a água sempre verde, e penso na inutilidade
De tudo o que ela é, e na inutilidade de estar pensando nisto,
Quando um pensamento inútil me sugere
Que a montanha pode ser
Um pormenor pensado por ela
Na paisagem do meu próprio peensamento, para
Com isto me levar a pensar sobre pensamentos,
E não sobre montanhas, ficando ela, como antes,
Pousada na água sempre verde, sem ser
Pensada por ninguém."

Ficam as palavras..

In the end

No fim és capaz de perceber que o caminho se revelara, afinal, bem mais fácil do que parecia. Descobres que perdeste parte da tua vida a viver a vida dos outros, mas apercebes-te também que foi esse tempo por ti "perdido" que te levou ao que és hoje e hoje, oh, hoje percebes que sem esse tempo "perdido" o caminho teria sido outro e agora podias não ter essa, talvez errada, sensação de felicidade, que mais não é que o consolo das vidas dos outros.

Keep Walking

Há coisas que não são feitas para durar. Acabam, deixam-nos recordações fantásticas,
mas ficam por aí, longe, inalcansáveis. E ou continuas, ou ficas preso a um passado de recordações reconfortantes, que te não deixam viver. E pior que parar é perder a vontade de continuar. Podes parar, desde que essa paragem não mais seja que a paragem
necessária para perceberes para onde te queres dirigir. "Porque quem quase morre continua vivo, quem quase vive já morreu."
E se um dia conseguir perceber porquê, vou explicar-te a minha teoria, para ver se consegues fazer as perguntas de forma a que as minhas respostas façam sentido... Um dia... Ou talvez não... Talvez o que uns chamem de cobardia outros entendam por falta de vontade de mudar, às vezes dá vontade de ficar, só para perceber o que vai acontecer por não ter partido cedo demais...
"E na palma da tua mão busco ternura sem
contar meses, anos, dias, sem saber dizer
se já te chorei por inteiro o suficiente
para não voltar a perder-te."

É ano novo!!

E é sempre assim, as coisas começam a correr bem,
Parece que vai ser diferente, parece que finalmente
Encontraste o teu caminho, parece que encontraste
O que querias. E no fundo, continuas no mesmo
Caminho, com as mesmas pessoas, com os mesmos
Cenários, as mesmas guerras, as mesmas hipocrisias,
As mesmas lutas desnecessárias. E por fim reparas
Que desperdiças parte daquilo que és, com aquilo
De que não precisas, daquilo que querias ter excluído
E continua a ter o mesmo peso que não consegues
Tornar leve. E por fim, com a leveza de quem foge
Vês que já é tarde para continuar a fugir e acomodaste
Ao que não queres, ao que negaste, tornas-te um
Prisioneiro da realidade que construíste quando lhe
Tentavas escapar. E é tarde, muito tarde! Mas há
Sempre tempo para quem quer começar, por muito
Tarde que pareça!!! E vá, alegra-te, é ano novo!

2012

E ano virou, e nós festejamos até doer a alma... E esquecer por completo certas partes da noite...