Avançar para o conteúdo principal

chuva

Mais uma manhã de chuva, daquelas manhãs que dá vontade de não deixar ir embora porque nos embala num sono em que se fica acordado e se parece sonhar, quando, no fundo, o que acontece é pensar com o coração... Por ali se deixou ficar, a imaginar, a deixar-se levar pelo que o faria feliz, por entre a chuva que se atirava à janela com vontade de lhe calar a vontade... Durante esta tempestade pequena pensava como seria se simplesmente não pensasse do outro lado, se por momentos pensasse em si, se por um instante conseguisse dizer o que sentia sem pensar nas repercussões do que seria dito... Seria feliz com toda a certeza, mesmo que o que dissesse não surtisse qualquer efeito!! Poderia dizer para não ir, podia dizer o que ir significaria para ele, poderia explicar como seria o mundo se... Poderia tentar pelo menos... Por entre a chuva caiu um trovão, todos estes pensamentos idiotas de quem gosta e não pensa se foram embora e saiu daquele transe!! Continuou a gostar calado pela tempestade, ficou ali, a olhar apaixonado, a pedir baixinho que tudo corresse bem, pelo menos àquele lado, ficou a ouvir a chuva que se não calava, mesmo com os gritos dos trovões... E ele, calado com o medo à felicidade que poderia nunca ser, ficou ali deitado até adormecer... Com medo de não a fazer tão feliz como ela merecia, deixou-a ser feliz como já era antes dele. E por entre os trovões que lhe gritavam ao ouvido percebeu que era o que deveria fazer, porque acima dele estava a felicidade de outra pessoa, que poderia ser uma pessoa qualquer, mas não, era a felicidade de quem queria mesmo ver feliz, ver brilhar pelo mundo como só ela poderia. E isso, isso também o faria ser feliz com toda a certeza. Assim adormeceu, embalado pela ideia de que pelo menos lhe se lhe não atravessou à frente e nunca foi um entrave ao seu brilho que o cativava ainda mais de cada vez que sorria. Era como que se o seu sorriso para ele fosse como a sua felicidade, e sentia que a cada sorriso gostava ainda mais. E sabia que pelo menos nunca silenciara aquele sorriso, nunca calara aquela alegria. Podia dormir, por fim, descansado. Ela seria feliz e ele, se tivesse sorte, poderia continuar a vê-la ser todos os dias.

Comentários


  1. Ai estes pensamentos que assaltam com a intensidade da chuva e da trovoada; este sentir que se sente e que faz sentir bem; ai esta necessidade de abdicar da felicidade para que o outro/a outra tenha a felicidade...

    Coisas de quem ama! Gostei!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Que nos fazem sentir vivos, que nos fazem sentir que ainda somos capazes de sentir, apesar de tudo ;) E ser feliz deve ser mesmo saber que os que gostamos o são, pelo menos... E se não podermos ser tanto como eles, seremos menos, mas tentaremos ser...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. A chuva é húmida , fria e desagradável, pede conforto e carinho. Um coração em chamas, um altruísmo magnífico e a beleza na imagem dum sorriso.
    Adorei. Fábio. Obrigada pela companhia. Gostei daqui.
    Um beijo. D

    http://acontarvindodoceu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  4. Obrigado pela visita e muito obrigado pelas palavras... Sinta-se sempre muito bem vinda ;)
    Um beijo

    ResponderEliminar
  5. A chuva faz-nos sonhar, faz-nos dar a volta à consciência e também nos faz voltar. A chuva molha, mas sobretudo limpa e purifica-nos a alma.
    Gostei bastante do teu outro blog, o das músicas. Segui ambos :)

    ResponderEliminar
  6. Obrigado Bárbara ;) Beijinho e obrigado pela(s) visistas...

    ResponderEliminar
  7. a chuva é necessária, mas acho-a desagradável, costumo dizer, que gosto mais do frio porque ele não me prende os movimentos.
    mas confesso que este texto inspirado na chuva está muito belo.
    eu gostei!
    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  8. a chuva é necessária, mas acho-a desagradável, costumo dizer, que gosto mais do frio porque ele não me prende os movimentos.
    mas confesso que este texto inspirado na chuva está muito belo.
    eu gostei!
    beijo

    :)

    ResponderEliminar
  9. Bom dia, Fábio
    Entrei aqui por acaso e confesso que gostei muito deste espaço.
    Dei uma vista de olhos (forçosamente rápida...), mas foi o suficiente para me induzir a fazer-me seguidora e voltar sempre que possível.
    Este texto é muito interessante e... altruísta. Pensar, antes de mais, na felicidade da pessoa amada, deixando para segundo lugar o nosso próprio "eu" não é para todos... mas é muito digno de louvor.
    Parabéns!

    Se quiseres dar-me o prazer da tua presença na minha «CASA» serás recebido de braços abertos.

    Um muito feliz 2014.
    Beijinhos
    Mariazita
    (Link para o meu blog principal)

    ResponderEliminar
  10. Bom dia Mariazita...

    É um enorme prazer saber que gostou de cá passar e se sentir confortável volte sempre... E muito obrigado...

    Vou passar em sua "casa" e tentarei visitá-la sempre que possível.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. De um contexto muito interessante, Fábio. A coerência está boa e a gramática também; parabéns!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …
Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...