Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Novembro, 2012

Onde foi que nos perdemos

Uma noite fria, de Inverno, como tantas outras, uma das tantas que
me faz voltar no tempo, até ti, até nós. Pergunto-me, com uma certa
saudade onde nos teríamos perdido. Recordo os pormenores que,
durante tanto tempo me passaram indiferentes. A forma como os
nossos olhares se foram procurando entre "multidões". A súbtil
forma como nos entendíamos sem nos falarmos, apenas com aquele
teu olhar de menina assustada, a implorar para que me aproximasse.
Recordo-me de como nos desentendíamos quando falávamos demais.
Eu sempre te disse que falar demais não nos levaria tão longe como
quando apenas nos deixávamos levar por instinto para todas as
aventuras que nos retrataram durante tanto tempo, sei que pensaste
o mesmo, sei que talvez ainda o possas pensar, mas eu, como sempre,
não o quis admitir, preferi deixar que o nada que te dizia fosse expresso
fosse expresso pelo tudo o que te não dizia, julgava-me capaz de
conseguir ser claro, mesmo às escuras do silêncio que te deixava sentir…

Noite e dia

E como que num estranho momento de nostalgia, vou recordando um certo Verão... Talvez de 2004... Seria... Ambos procurávamos um futuro que não nos cabia, ambos descobríamos com assombro que não havia futuro para nós. Foi como que num momento de traição, o destino nos caçasse numa incógnita que tentamos adivinhar desde muito cedo. A viagem estava marcada, a conversa desenvolvera-se dias antes. Sabíamos que aquela viagem não mais seria, para nós, que o princípio do fim. Já tínhamos avistado o futuro, daquele mundinho pequeno, que ainda nos cabia nos olhos. Eu queria fugir ao conceito adquirido por uma sociedade que me não enquadrava, queria marcar por uma diferença. que desse mesmo mundo pequeno me parecia ter. Julgava ser "mais capaz" que os demais. Eu e todos os que comigo partilhavam aquele mundo utópico, julgávamos que iríamos, sem grande dificuldade, ser diferentes de todas as gerações que nos antecederam. Olhávamos para aqueles que nos ensinavam como pessoas velhas e gas…

Depois de te ires embora

"Ontem depois de ires embora confesso que fiquei trsite como semre. Mas pela primeira vez, triste por ti. Pergunto-me que outra mulher ouviria os maiores absurdos como eu, e, ainda assim, não deixaria de olhar para ti e ver um homem maravilhoso. Que outra mulher te veria além da tua capa? A capa que também odeias e usas justamente para testar as pessoas..."