Avançar para o conteúdo principal

O tempo dos outros, de todos...

Às vezes o simples entender do andar do tempo e do desenrolar do seu processo fazia-lhe impressão ao olhar para os que lhe eram de perto... Era como que se a cada momento que passava perdesse mais um bocadinho deles, para outros. Era perder bocadinhos seus a cada instante para quem se não sabe... Era um ser destruído constantemente sem perceber. E depois, quando se percebe para onde se caminha, para onde os outros caminham, quando se percebe que todos acabamos por caminhar para longe de nós, ou pelo menos quase todos, percebemos que somos pouco e mais tarde ou mais cedo seremos nada. E os outros serão tudo um dia. E nós teremos de ser tudo noutro sítio. E temos a certeza que nunca seremos. E acabamos por duvidar de que todos os outros sejam tudo, pelo menos durante muito tempo. Acabamos por acreditar que somos nada. E nada faz sentido em tudo! E no fim, quando tudo se acaba, levamos tudo... Tudo o que teria sido e o nada em que se tornou. E vamos cheios de tudo o que não foi e foi noutro sítio qualquer. E devemos ir assim.. Sem sentido, perdidos no tempo, perdidos de nós, perdidos do mundo...

Comentários

  1. Devemos seguir o nosso trilho, sem medos e sem receios, acima de tudo, devemos acreditar em nós próprios.
    Para sermos felizes não temos obrigatoriamente de seguir com a multidão!
    O importante é o nosso tempo, aquele onde nos encontramos.

    ABRAÇAÇO

    http://diogo-mar.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Sim, concordo plenamente com tudo o que disse... Mas às vezes sentimos, olhando para o lado, que alguma coisa nos foge... Alguma coisa que uma ou outra pessoa "conquistou" seguindo a multidão... São momentos que nos fazem esquecer do nosso tempo, às vezes...

    "Abraçaço" ;)

    ResponderEliminar

  3. Pegando na tua resposta ao Diogo. Tudo nos foge, porque até nós nos fugimos. O tempo é um medidor ambivalente e, também, um predador. Pelos outros nos medimos na temporalidade de sermos nada perante um tempo que nos aniquila.

    Francamente... gostei muito!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. quem és, que fazes aqui?, sim o tempo acaba por brincar connosco, dá-nos a sensação que "pode ser para sempre" e logo a seguir tira-nos alguma coisa para nos lembrar que tal coisa não há... Mas como vi algures "o tempo é apenas a forma de as coisas não acontecerem todas no mesmo momento"... O tempo há-de ser uma viagem...

    Obrigado, francamente ;)

    Beijinho *

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Quem sou? Um produto do que fui. Talvez já só uma sombra.

      O que faço aqui? É a interrogação que sempre coloco. Até agora já encontrei algumas respostas, mas nenhuma que me satisfizesse. Talvez porque eu seja apenas a projeção de um EU com quem o tempo brincou...

      Beijinho

      Eliminar
    2. Nunca seremos só um produto do que fomos, somos também um projecto do que queremos ser... E talvez para isso o tempo e a sua boa "gestão" sejam um elemento fundamental para o que "seremos", para o que somos...

      E o tempo, mais uma vez, depois de ter brincado connosco e nós com ele, levar-nos-á às respostas... Umas vão satisfazer-nos, outras talvez não... Mas as respostas nem sempre nos satisfazem, são só isso... Respostas...

      E no meio disso tudo brincaremos sempre com o tempo, enquanto julga ser ele a brincar connosco... E no fim teremos a resposta, mais uma, de quem brincou com quem ;)

      Beijinho

      Eliminar
  5. Olá, Fábio
    Este texto, de que gostei bastante, obriga-nos a reflectir sobre o que fazemos neste mundo, por que cá estamos, qual a missão que temos a cumprir (e até, SE temos alguma missão a cumprir...).
    Quando a insónia nos "ataca" é normal surgirem todas essas perguntas (comigo acontece...), para as quais não temos resposta. A solução é continuar a interrogarmo-nos. Quem sabe se amanhã não seremos esclarecidos?

    Continuação de boa semana
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá Mariazita... Sim, muitas vezes invade-nos a pergunta e foge-nos a resposta e o sono parece não se querer meter entre perguntas e respostas... E ao fim de algum tempo lá se encontram e o sono lá volta ;)
    E esperamos sempre pelo amanhã, para perceber se as respostas estavam certas...

    Uma óptima semana para si... Obrigado pela "visita"
    Beijinhos *

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."