Avançar para o conteúdo principal

Seria tão fácil se não tivéssemos medo

No rosto trazia as marcas das suas experiências... No entanto, nos seus olhos era evidente a calma, a inocência, o olhar de quem nunca se arrependeu de passo algum dado, tinha o sorriso carregado de alegria, alegria essa que ninguém adivinhava depois de a ver ali, na rua, uma sem abrigo como todos ingenuamente lhe chamariam. Ali estava ela, sem vergonha, com a voz firme, confiante de que algum de nós lhe iria pagar um pão com queijo. Não falhou, entre todos nós, aparentes miúdos carregados de maldade, algum iria com toda a certeza pagar, porque quem está de dentro sabe os que de fora não imaginam sequer. E esta senhora, que aparentava ainda se não ter afastado do olhar atento de Deus, sabia que éramos muito mais, seriamos como ela se conseguíssemos. Entre uma e outra palavra que acabaria por ser uma longa e cativante conversa, lá nos explicou que já fora uma senhora rica, que dera tudo para a caridade à excepção da sua casa, sim, da sua casa, casa essa que viera a perder mais tarde. Diz apenas arrepender-se de não a ter dado também, afinal roubaram-lha à vista de todos sem justiça. Podia ter sido salva se pedisse ajuda. Mas ajuda era o que não queria, porque ela só queria ajudar. Hoje, ao vê-la pedir um pão torna-se difícil imaginar que já vivera como a maioria gostaria, o que a diferencia dos demais é que nunca temeu largar tudo para dar de comer a uma criança faminta em mais um dia sem escola. Era essa leveza que lhe dava aquele sorriso, aquele sorriso que irradiava felicidade. Disse-nos saber distinguir bons corações. O tempo que viveu pelas ruas ensinou-a a saber com quem contar, coisa que nunca aprenderia a viver na abundância que já a havia cercado. Perguntou-nos em tom de ironia querida, do que afinal tínhamos medo. Uns do futuro, outros do passado, outros de mais tarde ou mais cedo poderem vir a estar numa situação semelhante à dela, ao que ela calmamente respondeu "nunca estarás numa situação semelhante à minha, porque eu podia ter tudo, mas escolhi ter mais". E foi com esta frase que quase se despediu.
Mais tarde, já chegados a casa, a frase surgiu em tom de dúvida existencial. Afinal para onde caminhávamos todos com medo, tínhamos medo do quê afinal, de perder a comodidade que nos embala? Se largássemos tudo, como ela, não teríamos nada a perder, seríamos nós, seríamos autênticos. Íamos depender da boa vontade dos outros, mas também íamos aprender a não rotular miúdos como nós, como tantas vezes fazemos, íamos aprender a distinguir entre uma multidão, a pessoa certa. Não procurámos nós afinal entender o mundo que nos rodeia? Qual será então a melhor maneira de o fazer? Não será vivendo com a leveza daquela velhinha? Estas questões ficaram todos no ar. Deitámos mais um cavaco à lareira e deixá-mo-nos ficar confortavelmente sentados à lareira. Ali tínhamos a nossa resposta, mais não somos que isto, comodismo, vontade de ficar quietos, vontade de nos sentirmos seguros, num mundo onde, para nós, mais não há que insegurança. E lá fora estaria a senhora, envolta por um calor que brotava dela própria, um calor que além de aquecer brilhava e iluminava o caminho daqueles que queriam ver.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."