Avançar para o conteúdo principal

Era um político

Ele só poderia ser boa pessoa. Não o conheciam bem, mas não havia por onde questionar a sua bondade!! Todos sabiam que já havia comprado um daqueles presentes da missão sorriso, isto porque se fazia passear com ele na parte de cima da mala do carro. Volta e meia aparecia lá na Igreja e rezava junto com os outros, com a concentração de quem absorve cada palavra. Era visto constantemente no banco alimentar. Era visto muitas vezes a carregar o saco da D. Carlota quando voltava das compras. Não se sabia bem o que fazia, mas seria, com toda a certeza, um trabalho muito honesto e bem remunerado, a sua aparência não deixava margem de dúvida, era de certeza alguém socialmente importante e no entanto carregado de bondade. A forma como tentava ajudar todos os outros voltava a evidenciar esse aspecto...
E ao fim de tantos e tantos anos as pessoas voltavam a enganar-se, voltavam a acreditar na aparência deste senhor que poderia perfeitamente ser o pior de todos os homens. Dele sabiam que dava sempre uma moeda ao sem abrigo lá do sítio e que oferecia roupa velho a gente nova. O que nunca entenderam que isto era uma imagem que se poderia vender... Enganou toda uma sociedade cansada, toda uma sociedade que se diz ilumunada, toda uma sociedade inteligente. Toda uma sociedade que não foi capaz de ir mais longe que do óbvio. Ninguém desconfiou da sua perfeição, ninguém reparou na sua falta de carácter. Ninguém duvidou, todos se deixaram levar. E quando, por fim, roubou todas as casas de todos os habitantes daquela cidade, deram conta que já lhes haviam roubado  o orgulho, a dignidade, o dinheiro, esse pouco importava agora. Roubaram tudo o que tinham de importante e agora ficavam sem nada. Até os seus mais queridos foi roubando, incentivando-os a deixar esta cidade e a ir para outro país. Foi um sem vergonha o que os roubou, enganou-os a todos com a imagem das boas acções que vendia a cada esquina. Agora era tarde e estes, os que se achavam muito inteligentes, estavam agora completamente perdidos. E aquele homem, nunca mais o viram. Juraram não se voltar a deixar enganar. E agora sabem que não vai acontecer, agora anda ali um jovem que lhes prometeu não deixar o outro fugir impune. A D. Carlota também está muito feliz, este até a leva de carro à farmácia comprar pomada para o joelho!!

Comentários

  1. E isto faz-me lembrar uma história verdadeira. Depois conto:)

    ResponderEliminar
  2. A parte engraçada é que deixas sempre um "enigma" ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."