Avançar para o conteúdo principal

Levado à letra

Entraram para a sala de teatro, assim quase como que a correr. Tinham-se atrasado, cruzaram-se com uns amigos que iam,com toda a certeza ver outra peça qualquer, lembraram-se pouco antes do fim. Sentaram-se na primeira fila e por ali ficaram durante toda a peça. Às vezes um ou o outro vinha cá fora comprar alguma coisa para lhes alimentar a fome que se fazia sentir nas cenas que pareciam iguais a outras que já tinham visto. Mal se davam conta de que a peça a que assistiam nada mais era que a vida de outra pessoa qualquer, que a viam a partir de casa, do café, do trabalho, de qualquer sítio assistiam ou discutiam a vida desse homem anónimo, com uma vida como tantas outras, com rotinas inquebráveis, hábitos inquestionáveis, vícios recrimináveis. Mal se davam conta que enquanto assistiam à vida, ou peça de teatro do outro a sua própria vida era esquecida, tornaram-na menos importante que o teatro do outro. E aos poucos a cortina foi-se fechando e nunca tiveram a oportunidade de afirmar que "A vida é uma peça de teatro" mais não era que um cliché a cair em desgaste. Acabadas as suas vidas, fechadas as suas cortinas, o teatro do outro homem lá continuou com todos os defeitos que lhe apontaram sempre, a fazer o que os outros, os que assistiam não faziam... A viver. 

Comentários

  1. Vivo a minha vida, não me interessa assistir às dos outros. Não quero saber, só eu importo, e quem eu quero que reparta o palco comigo. Quero ser a actriz do meu enredo, a protagonista da minha história, escolho o elenco, aprovo os cenários... escolho e escolho, e deixo-me embalar em cada acto até aparecer a palavra FIM

    Beijinho:))

    ResponderEliminar
  2. E assim sendo tenho a certeza de que é uma peça de teatro linda e com personagens fantásticas e será sempre, até ao fim ;)

    Beijinho ;)

    ResponderEliminar
  3. Hismindawayamiga

    Eu sou o que bate as pancadas de Molière; eu sou o ponto escondido no seu buraco. Donde, não estou no palco e estou no palco ainda que os espectadores não me vejam. O teatro é a constante mudança das peças, com mais ou menos duração; e também como na vida há reprises que permitem que voltemos a situações já vistas ou vividas no passado; daí há que tirar lição. Disfarçado não vais a lado nenhum. Ou talvez vás pela socapa.

    Qjs = queijinhos = beijinhos (rimam...)

    Henrique
    __________

    PS - Gostei tanto de ter vindo aqui que vou já meter o Dialbulices nos meus BLOGUES MAIS FIXES. E também já te sigo. Agora espero que faças o mesmo...

    ResponderEliminar
  4. Hismindawayamiga

    No teatro eu sou o que bate as pancadas de Molière. Mas também sou o ponto enfiado no seu buraco. Os espectadores não me vêem mas sabem que estou lá. Um dia, se chegar à ribalta tudo mudará; e não serão precisas as reprises porque na vida não se pode voltar atrás.

    Qjs = queijinhos = beijinhos

    Henrique

    ResponderEliminar
  5. Boa noite Henrique... Agradeço a sua passagem por este cantinho... Eu tentarei sempre ser o guionista da minha peça de teatro e espero passar como personagem na peça das pessoas que me são importantes! E tentarei ser discreto e chegar a algum lado discretamente...

    Abraço!!

    ResponderEliminar
  6. Bom dia Fábio!
    Passei por acaso mas gostei do que li e já estou a seguir!
    Bom fim de semana!
    Maria

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."