domingo, 20 de outubro de 2013

Boa noite

Naquele dia, foi dia até ser noite. Costuma ser sempre assim, mas só naquele dia é que percebeu que era daquela forma que os dias acabavam, era sempre dia até ser noite. Todos os dias fazia o mesmo caminho de casa, saía do carro, esperava para ouvir o portão bater e ter a certeza de que fechou e sentir-se assim protegido do mundo lá fora. Um dia, de dia entrou em casa, na casa que sempre fora sua, saiu ainda de dia para um sítio que se sabe ser costume visitar. À noite quando voltou o portão, como sempre, abriu-se e ele entrou. Quando chegou a casa descobriu que já não era a sua casa e já ali não pertencia. Era estranho, parecia que sempre fora dali, nunca tinha percebido que tentava construir a sua casa onde já havia existido outra. Dava conta agora que ficou sempre ali, ao portão, noite e dia. E foi só agora que percebeu que existem os dois e que um não substitui o outro, acabam apenas por se completar. Foi aí que decidiu que não precisava de uma casa, pelo menos de uma casa qualquer. Diz-se que começou a viver mais à noite, não se sabe se pelo coração ser escuro, se por não gostar da verdade da luz. Tornou-se escuro e não é triste, só não é tão feliz.

2 comentários:

  1. Quantas vezes não ficamos ao portão, ou porque a casa já não é a nossa, ou porque ganhamos medo de nela entrar. Ando nessa fase há algum tempo a decidir a vida. Se fico se vou... só não permito é que o coração fique triste e os dias negros de escuridão.. tem que ser dia até eu querer.

    Beijinho grande.

    Vou-te confessar um segredo, nem sempre te entendo, o que escreves, o que queres dizer... e penso que o faças voluntariamente, escreves sobretudo para ti, e muito do que escreves é para TU leres, porque só te diz respeito a ti. Hoje ultrapassei uma barreira e cheguei aonde tu estás... lá longe. E percebi o que querias dizer. (acho eu)

    ResponderEliminar
  2. O importante é mesmo nunca deixar que a tristeza se mude para o coração, pode ser escuro, mas o escuro não tem de ser triste. E espero que faças todas as escolhas certas.
    Sim, muito do que escrevo é para mim e nem sempre tem o objectivo de fazer sentido, daí que muitas vezes se não perceba grande coisa... E acho que somos todos um bocadinho assim ;) acabamos por esquecer que alguém não perceberá, mas é sempre giro, no meio de toda a confusão, saber que alguém consegue chegar ao que queremos dizer... Muito bem vinda a este "cá longe" ;)

    Beijinho grande

    ResponderEliminar