quinta-feira, 23 de maio de 2013

Vida cinematográfica

Há quem viva o presente apenas como um lugar confortável do qual olha para o passado e pensa no que não devia ter sido, do que devia ter sido e não foi. E é um filme único, com diálogos geniais e impossíveis, é tão surreal que chega a ser ficção, às vezes dói tanto que poderia ser um drama, e tens situações tão hilariantes que poderia ser considerada a melhor comédia de sempre. Parece, de facto, uma maneira fantástica de viver. Mas continuámos ali, como se fosse possível escolher os capítulos e alterá-los de acordo com a revelação dos capítulos que tardariam a chegar. E vive-se pouco, muito pouco e o futuro só serve para assistir ao filme uma fila mais à frente.

3 comentários:

  1. Eu seria capaz de jurar que gostavas mais de vidas que parecem peças de teatro ;)

    ResponderEliminar
  2. teatro e filmes confundem-se, pelo menos na minha vida e na minha arte. e principalmente na cabeça. :)

    ResponderEliminar