segunda-feira, 13 de maio de 2013

Dos mais fracos aos mais fortes

Nem todos nasceram para atingir grandes feitos, grandes objectivos. Alguns nasceram para mudarem as correntes do mundo, as amarras do destino, a vontade e o sentido dos que caminham com certeza. Depois há aqueles que mais não fazem que se mudarem, que lutarem contra o que pensam, percorrem vezes sem conta o percurso já feito, constroem mundos à frente que nunca hão-de ser mais que isso, pura imaginação. Ninguém lhes dá valor, todos menosprezam o seu percurso. Parecem, aos olhos daqueles que nada entendem de tanto olhar pessoas que vagueiam sem sentido, sem rumo. Não tentam envolver-se nas "grandes questões mundiais", parecem demasiado preocupados com o seu mundo, demasiado egoístas para se preocuparem. Parecem. Mas o que eles são realmente, é fortes, fortes o suficiente para não aceitar o mundo criado por todos, não aceitar as regras impostas por outros, não aceitar o futuro imaginado por todos. São pessoas fortes o suficiente para ficarem ao lado das invenções reconfortantes de toda uma humanidade iluminada pela escuridão, de uma humanidade cega por uma luz que nunca existiu. Esses, os que ficam à parte, esses sim, são os que vivem com vontade, com vontade de encontrar um caminho, "o caminho" que querem e tentam traçar. Esses, esses não se deixam cegar, mesmo quando deviam.

2 comentários: