Avançar para o conteúdo principal

Medo

Tinha uma vida perfeita, julgava quem via de fora. Tinha a melhor mulher do mundo, disso até ele tinha a certeza, não precisava que lho dissessem de fora. Além disso, de dentro via-se ainda melhor. Os filhos, eram o sonho de qualquer pai. Não, não estou a dizer que eram perfeitos, ou melhores que os filhos de outra pessoa qualquer. Estou só a dizer que para ele eram perfeitos. E não vou falar das coisas a que outros tantos dão valor, tais como trabalho, situação financeira. Não, fala-se apenas do que é importante, não quero com isto dizer que a vida deles não corressem bem nesses campos, também corria bem, muito bem. Poderia então afirmar-se com toda a certeza que eram felizes, que nada se lhes atravessava na felicidade.
No entanto, este homem que tinha uma vida perfeita (e tem) não se orgulhava de algo que havia feito no passado, era quase como que arrependimento, um peso de consciência. Não havia um dia que fosse que esse arrependimento não invadisse o seu pensamento e lhe desse vontade de gritar ao mundo que não merecia ser assim tão feliz. Não se sabe do que este homem se arrepende, nunca nos contou, sabemos apenas que se arrependia. Sempre que olhava para a sua mulher a brincar com os seus filhos recordava-se que não merecia estar ali, o que nos leva a pensar que aquilo de que se arrependia não seria muito leve. O tempo foi passando e o arrependimento começou a ser mais forte, começou a ganhar forma, quase tomava conta dele, sentia-se culpado. Num dia, pelo que se sabe de chuva vento e trovoada percebeu que não se arrependia, tinha sim medo de que um dia se descobrisse e tinha medo de que tudo o que tinha construído através dos anos lhe fugisse por entre as mãos por um erro que cometera. Não era arrependimento, era medo, medo só. Descobriu ao fim de todo este tempo que afinal apenas se arrependia de não ter dado a oportunidade ao tal "erro" que cometera e descobrir se não seria ainda mais feliz. No entanto era tarde para voltar atrás e a vida corria-lhe bem era feliz. Só tinha aquele pequeno arrependimento. E agora, se por acaso se soubesse as repercussões desse erro seriam destrutivas e ele não mais poderia voltar a cometer o tal "erro". Descobriu, ao fim de tanto tempo que se arrependia apenas de ter optado por esta vida... E agora tinha medo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."