Avançar para o conteúdo principal

Folha que mata

Escrevia... Não havia percebido que à media que as suas frases ganhavam  forma,
inventava uma realidade, Uma realidade que se não conhecia, que se não imaginava.
Acaba de criar mais uns quantos medos que desconhecia. Acabou por perceber
outros tantos amores que temia serem tanto. À medida que o texto ganhava forma
a sua vida perdia sentido. E ele, coitado, continuava a escrever, não se sabe ser
por curiosidade, se por vontade de saber a quem amar. Diz-se que endoideceu,
diz-se também que não morreu de explosão de coração. Não se sabe de nada.

Nunca ninguém o alertara para o poder do olhar, do ver o que se imagina, ali,
escrito em folha de papel para matar. Não percebia que o amor ganhava forma,
porque já há muito o era. E só se perceba a intensidade quando se atira para
um papel e as palavras correm soltas para uma frase com sentido, com sentido
ali, e na outra realidade. Nunca ninguém teve a coragem de lhe dizer que descrever
os medos é dar-lhes vida, uma vida maior, maior que nós. Estar ali, na folha que
mata dá a entender que o medo tem forma e se se consegue descrever é porque
quase que se consegue ver. E apesar de o sentir intensamente, julgava-o sem forma.

Nesta realidade nova, da folha que mata, acabara por perceber que nunca amou
a pessoa certa e aquela que julgava ser só outra, era a pessoa que lhe mordia
o coração, agora moribundo. Esteve ali, sempre ao lado dela a vê-la cair de pé,
sempre. Até ter chegado ali, à folha que mata, e a ter descrito é que percebeu que
a amava. Admirava-a há tanto tempo que estava cego por ela e não a conseguia
ver. E mesmo sem a ver conseguiu descrevê-la. Nesta tal folha, percebeu que a
vida só teria feito sentido se lhe tivesse dado o sentido certo quando deixou de ver.
Agora, que voltou a abrir os olhos e voltou a ver, agora que ela já não o cegava,
apenas brilhava como sempre fora, percebeu que era tarde para eles.

E foi nessa altura que o que seria só uma carta se transformou numa carta que mata.

Foi encontrada ao lado do seu corpo morto, de coração moribundo e alma perdida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."