terça-feira, 3 de julho de 2012

.......

Agora caminhas sem brio, sem diferença, igual.
És só mais uma num mundo que poderias ter aos
teus pés e que deixas, agora, que te calque, esse
mundo que durante tanto tempo inferiorizaste
tornou-se assutadoramente maior que tu, e isso,
isso agora destrói-te, devagarinho, em silêncio.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...