quarta-feira, 6 de junho de 2012

Sr. 1º ministro

Boa tarde Sr. Exclmo. Primeiro ministro,

Venho abordá-lo desta forma para ser aconselhado numa ou outra situação que me tem vindo a preocupar. Há algum tempo atrás vi que ser despedido teria de ser visto como uma nova oportunidade, uma hipótese de construir um futuro melhor. Ora, como não me encontro nessa situação, julgo ter perdido uma oportunidade única, vejo todos os outros serem despedidos e a ficar com montes de tempo livre... Vejo pais, que por terem sido despedidos, têm tempo para brincar o dia inteiro com os filhos, tendo em conta que os miúdos já não vão à escola devido aos custos elevados que estes pais, devido às novas oportunidades, não conseguem pagar... Vejo alguns dos meus amigos, que agora, em vez de saírem diariamente, irem ao cinema, jantar fora e essas coisas se dedicam a ficar por casa, sem nada para fazer, sem televisão, sem internet e com alguma fome, o que na sua perspectiva é bom, porque a televisão acaba por assustar e limitar os horizontes das pessoas contempladas com estas novas oportunidades e digamos que o facto de comerem demais também os levaria a situaçoes de obesidade. Mas a minha grande duvida surgiu-me hoje à tarde... Estava a minha namorada a estacionar o carro quando se aproxima um daqueles arrumadores, nesta precisa altura ela diz que lhe vai dar 2€... Ao ouvir isto, saí rapidamente do carro estacionei o carro, pelo que recebi os merecidos 2 euros. O problema surgiu-me a seguir, o arrumador disse que aquela zona era dele, que todo o dinheiro que os condutores oferecessem teriam de ir para ele... Não achando ter perdido a razão, expliquei ao senhor que no fundo o dinheiro acabava por ser meu, tendo em conta que era o troco da portagem, expliquei-lhe que ela ainda estava a estudar e que o carro era meu, apenas a deixei conduzir porque tinha bebido uma ou outra garrafa a mais que, claro está, fiquei a dever no restaurante, para ajudar os funcionários a terem novas e melhores oportunidades... O senhor lá me deixou passar, deixando bem claro que não tinha razão alguma em fazer o que fiz e explicou-me como funcionam as zonas de estacionamento, este senhor já tinha um pequeno monopólio, e já era bem visto pelos senhores condutores. Coisa que eu vim a confirmar mais tarde... Quando cheguei ao veiculo tinha os 4 pneus furados, a pintura completamente riscada, os vidros partidos e tudo o que algum valor tivesse no interior foi roubado. Agradeço em vez de todos aqueles a quem vou ficar a dever o facto de este humilde e bem sucedido monopolista do parque ter contribuido para tantas novas oportunidades. E a si sr. primeiro ministro desejo-lhe uma nova oportunidade, num outro país, bem longe, para proporcionar novas oportunidades a pessoas com um vida estável e equilibrada... Sim, porque o que as pessoas realmente querem é aventura, na realidade ninguém quer constituir família, ninguém quer conforto e ninguém quer ver o seu esforço recompensado com um prémio monetário, o que as pessoas realmente procuram é precariedade, precariedade e pouco dinheiro, porque a abundância estraga!!


Obrigado

1 comentário:

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...