Avançar para o conteúdo principal

Sr. 1º ministro

Boa tarde Sr. Exclmo. Primeiro ministro,

Venho abordá-lo desta forma para ser aconselhado numa ou outra situação que me tem vindo a preocupar. Há algum tempo atrás vi que ser despedido teria de ser visto como uma nova oportunidade, uma hipótese de construir um futuro melhor. Ora, como não me encontro nessa situação, julgo ter perdido uma oportunidade única, vejo todos os outros serem despedidos e a ficar com montes de tempo livre... Vejo pais, que por terem sido despedidos, têm tempo para brincar o dia inteiro com os filhos, tendo em conta que os miúdos já não vão à escola devido aos custos elevados que estes pais, devido às novas oportunidades, não conseguem pagar... Vejo alguns dos meus amigos, que agora, em vez de saírem diariamente, irem ao cinema, jantar fora e essas coisas se dedicam a ficar por casa, sem nada para fazer, sem televisão, sem internet e com alguma fome, o que na sua perspectiva é bom, porque a televisão acaba por assustar e limitar os horizontes das pessoas contempladas com estas novas oportunidades e digamos que o facto de comerem demais também os levaria a situaçoes de obesidade. Mas a minha grande duvida surgiu-me hoje à tarde... Estava a minha namorada a estacionar o carro quando se aproxima um daqueles arrumadores, nesta precisa altura ela diz que lhe vai dar 2€... Ao ouvir isto, saí rapidamente do carro estacionei o carro, pelo que recebi os merecidos 2 euros. O problema surgiu-me a seguir, o arrumador disse que aquela zona era dele, que todo o dinheiro que os condutores oferecessem teriam de ir para ele... Não achando ter perdido a razão, expliquei ao senhor que no fundo o dinheiro acabava por ser meu, tendo em conta que era o troco da portagem, expliquei-lhe que ela ainda estava a estudar e que o carro era meu, apenas a deixei conduzir porque tinha bebido uma ou outra garrafa a mais que, claro está, fiquei a dever no restaurante, para ajudar os funcionários a terem novas e melhores oportunidades... O senhor lá me deixou passar, deixando bem claro que não tinha razão alguma em fazer o que fiz e explicou-me como funcionam as zonas de estacionamento, este senhor já tinha um pequeno monopólio, e já era bem visto pelos senhores condutores. Coisa que eu vim a confirmar mais tarde... Quando cheguei ao veiculo tinha os 4 pneus furados, a pintura completamente riscada, os vidros partidos e tudo o que algum valor tivesse no interior foi roubado. Agradeço em vez de todos aqueles a quem vou ficar a dever o facto de este humilde e bem sucedido monopolista do parque ter contribuido para tantas novas oportunidades. E a si sr. primeiro ministro desejo-lhe uma nova oportunidade, num outro país, bem longe, para proporcionar novas oportunidades a pessoas com um vida estável e equilibrada... Sim, porque o que as pessoas realmente querem é aventura, na realidade ninguém quer constituir família, ninguém quer conforto e ninguém quer ver o seu esforço recompensado com um prémio monetário, o que as pessoas realmente procuram é precariedade, precariedade e pouco dinheiro, porque a abundância estraga!!


Obrigado

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …