sexta-feira, 20 de maio de 2011

"Cigarro após cigarro, a vida –
traduzida em mais um copo
que se partilha ao balcão.

É sempre assim quando regressas

à terra que mais te reconhece –
(ou julgas reconhecer) ou por outra:


onde te reencontras por automáticos
reencontros que se perpetuam –
para além desta breve existência.


Há um copo que se estilhaça (des-
cuidado) na firmeza do chão –
há uma nuvem de fumo no ar


(que eterniza a nossa efémera
presença) confundida em conversas
de um puro regresso ao passado.


E ao final da noite regressas a ti –
[à bagagem de toda uma vida] ou
à incerteza: de uma ida sem volta. "

Miguel Pires Cabral

Sem comentários:

Enviar um comentário

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...