segunda-feira, 11 de março de 2013

Do arquivo fechado... O chamado de fantasma

Não fica,
no limite, nada por fazer,
dissemos a quem amamos
o que tínhamos de dizer,
escolhemos entre dúvidas
sempre a resposta certa,
e sempre errámos,
mas

se errar é adormecer
aconchegado por um novo dia
pelo qual toda a noite esperámos -
os cãoes ladrando
na distância, a bruma assentando na terra,
e um último carro na estrada
a caminho de casa -
gostava de poder errar
outra vez,
para no limite
para as horas vincadas
pelo sono e achar que foram
a única vida que tive.

Sem comentários:

Enviar um comentário