Avançar para o conteúdo principal

A estrear num comboio perto de si - Portugal de comboio

Isto começa assim, uma carruagem, com alguns passageiros, enquanto o revisor vai picando os bilhetes.
Mais ou menos 2 filas depois do primeiro passageiro, enquanto um senhor é esfaqueado
Revisor: O seu bilhete por favor!!
Vítima: Ajude-me, este senhor está a assaltar-me e levei duas facadas no vazio!!
Revisor: Vá, espere pela sua vez, já peço o seu!
Passageiro que roubou a vítima: Não tive tempo de comprar o bilhete, posso tirar agora?
(Puxando de uma nota ensanguentada de 10€ da carteira roubado)
Revisor: Claro que sim, são 2,65€. Agora vá, sente-se lá direitinho no seu lugar que não se pode esfaquear pessoas cá!

Uns lugares à frente encontra-se um indivíduo de comportamento estranho, diria-se suspeito (nem todos haviam reparado que o senhor tinha feito "carícias" a uma menina de 8 anos surda e muda, mas para bem geral, o revisor viu)
Revisor: O seu bilhete? pergunta de forma seca, roçando o exagero, com um tom agressivo.
Passageiro: Está aqui.
Revisor: Muito bem, então e o da menina?
Passageiro: A menina não sei, apenas se sentou aqui, nada me pertence.
Revisor: Vá menina, não faça essa cara de assustada, a porcaria do bilhete??
Miuda: (Eh, a miuda acaba por não responder, pensando bem já tinhamos dito que era muda)
Revisor: Ai não respondes?? Sais já na próxima estão que é para aprenderes a ser civilizada!!
(Ás vezes o exemplo tem de ser dado, e, com a intenção de mostrar aos demais que há regras esta miúda acabou por sair na próxima estação, só para dar o exemplo)

Nessa paragem entram 2 jovens, um deles com um cão, de pequeno porte. O comboio arranca.
Revisor: Os vossos bilhetes por favor!?
Prontamente os passageiros dão o bilhete ao revisor (um profissional fantástico e dedicado, como já haviamos dado conta há pouco)
Revisor: Isso por acaso é um cão, é?
Passageiro: Sim senhor revisor, a viagem é pequena, não vai incomodar muito.
Revisor: Por acaso o senhor sabe que o cão tem de pagar meio bilhete?
Passageiro: Não fazia ideia, mas faço-o imediatamente.
Revisor: Ai não faz não!! Isso é que era bonito!! O senhor vai ser expulso do comboio, onde já se viu!! Que falta de respeito, cambada de putos inconsequentes!! E mais, vou chamar a GNR e vão ter problemas sérios!! Vocês hão-de aprender a ter um comportamento cívico, onde raio pensam que estão?

Perante o olhar impotente de todos os outros passageiros, ambos os miúdos foram espancados, ali à frente de toda a gente. Não se sabe o que aconteceu ao cão, mas ao que parece puxou por uma nota de 5€ e sentou-se comodamente no seu lugar.

Qualquer semelhança com esta história com a realidade, é pura coincidência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."