Avançar para o conteúdo principal

A estrear num comboio perto de si - Portugal de comboio

Isto começa assim, uma carruagem, com alguns passageiros, enquanto o revisor vai picando os bilhetes.
Mais ou menos 2 filas depois do primeiro passageiro, enquanto um senhor é esfaqueado
Revisor: O seu bilhete por favor!!
Vítima: Ajude-me, este senhor está a assaltar-me e levei duas facadas no vazio!!
Revisor: Vá, espere pela sua vez, já peço o seu!
Passageiro que roubou a vítima: Não tive tempo de comprar o bilhete, posso tirar agora?
(Puxando de uma nota ensanguentada de 10€ da carteira roubado)
Revisor: Claro que sim, são 2,65€. Agora vá, sente-se lá direitinho no seu lugar que não se pode esfaquear pessoas cá!

Uns lugares à frente encontra-se um indivíduo de comportamento estranho, diria-se suspeito (nem todos haviam reparado que o senhor tinha feito "carícias" a uma menina de 8 anos surda e muda, mas para bem geral, o revisor viu)
Revisor: O seu bilhete? pergunta de forma seca, roçando o exagero, com um tom agressivo.
Passageiro: Está aqui.
Revisor: Muito bem, então e o da menina?
Passageiro: A menina não sei, apenas se sentou aqui, nada me pertence.
Revisor: Vá menina, não faça essa cara de assustada, a porcaria do bilhete??
Miuda: (Eh, a miuda acaba por não responder, pensando bem já tinhamos dito que era muda)
Revisor: Ai não respondes?? Sais já na próxima estão que é para aprenderes a ser civilizada!!
(Ás vezes o exemplo tem de ser dado, e, com a intenção de mostrar aos demais que há regras esta miúda acabou por sair na próxima estação, só para dar o exemplo)

Nessa paragem entram 2 jovens, um deles com um cão, de pequeno porte. O comboio arranca.
Revisor: Os vossos bilhetes por favor!?
Prontamente os passageiros dão o bilhete ao revisor (um profissional fantástico e dedicado, como já haviamos dado conta há pouco)
Revisor: Isso por acaso é um cão, é?
Passageiro: Sim senhor revisor, a viagem é pequena, não vai incomodar muito.
Revisor: Por acaso o senhor sabe que o cão tem de pagar meio bilhete?
Passageiro: Não fazia ideia, mas faço-o imediatamente.
Revisor: Ai não faz não!! Isso é que era bonito!! O senhor vai ser expulso do comboio, onde já se viu!! Que falta de respeito, cambada de putos inconsequentes!! E mais, vou chamar a GNR e vão ter problemas sérios!! Vocês hão-de aprender a ter um comportamento cívico, onde raio pensam que estão?

Perante o olhar impotente de todos os outros passageiros, ambos os miúdos foram espancados, ali à frente de toda a gente. Não se sabe o que aconteceu ao cão, mas ao que parece puxou por uma nota de 5€ e sentou-se comodamente no seu lugar.

Qualquer semelhança com esta história com a realidade, é pura coincidência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."