Avançar para o conteúdo principal

Directamente d'os Aristocratas

"Circulava eu pela via, a caminho de casa, enquanto ouvia esse hit entre crescidos e pequenada que é o “(Blow my) Whistle” a pensar em tudo e em nada, como todos nós fazemos no dia a dia, quando me deparei com um cenário familiar no carro ao lado. Um homem a conduzir com um olhar distante e a sua (presumo) esposa a seu lado, também ela com o olhar vago a olhar pela janela do seu lado.

Sorri pois percebi que ia ali um casal chateado, um casal que não se fala. Não sei porquê mas isso faz-me rir, saber que há ali aquele clima, aquela tensão por alguma discussão que tenha acontecido ou apenas (e no pior cenário) por ser o dia a dia daquele casal, gente que está junta mas não se fala, perderam a capacidade de comunicar e pelo caminho, provavelmente, o sentimento que os uniu inicialmente.

Duas coisas que por esta altura estarão a pensar:

1 – És um estúpido por sorrir com essas situações.
2 – Que exagero, aquilo pode ser um milhar de coisas diferentes sem ser necessariamente uma discussão.

Têm razão mas 1º não pedi a vossa opinião, estou a ser honesto, ver um casal zangado faz-me sorrir e sei que se calhar vocês não são muito diferentes. Há ali qualquer coisa que nos faz sentir assim, talvez por ser caricato, talvez nos faça sentir melhor por acontecer também a outras pessoas, pela vergonha alheia, não sei. Mas acontece, porque raio não o devemos admitir?

- Ah, se calhar ficaram chateados comigo por eu dizer que não pedi a vossa opinião, não? Foi? Não fiquem, somos todos amigos. Vá, dêem cá dois beijinhos e para a machesa que já está a dizer “Shô, caralh#!” dêem cá um aperto de mão, à homem.

Já está? Amigos outra vez? Maravilha. Vamos continuar? Vamos. -

E 2º se há coisa que eu sei reconhecer são esses sinais. Um casal, dentro de um carro, cada um a olhar para o seu lado, com um ar sério e sem falar, é tão garantido estarem zangados como quando vão num centro comercial afastados ou quando estão sentados num café/esplanada cada um agarrado ao telemóvel sem trocarem uma palavra.

Quer dizer… pensava eu.

Reparei depois que ele olhou para ela, pôs o braço à volta dela, gentilmente puxou-a para si,
deu-lhe um beijo na testa e ela deitou a cabeça no seu ombro.

Fizeram as pazes, pensei eu.

Depois reparei que seguiam atrás de um carro funerário e percebi. Não estão chateados,
estão tristes. Eu estava enganado. Senti vergonha por ser assim e já não sorri.

No sentido oposto vi um condutor que ia sozinho e sorria… Um sorriso que eu conhecia, que me era familiar. Eu não conhecia o rapaz mas aquele sorriso era igual ao que eu tinha há alguns momentos…

Olhei para o lado e vi a minha namorada, com um olhar vazio a olhar para o lado.

Arrisquei a pergunta: “O que é que se passa?”

Respondeu: “Nada.”

Eu sabia que estava tramado."

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …
Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...