sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Por aqui


Chegas tarde, nao te queres fazer notar, mas
emaranhas a realidade que me envolve, como quem
sabe o que faz, sem a noçao de que nao pode.
Como se o facto de conseguires acalmar o meu mundo
te dê o direito de ficar, como se de alguma forma
a impressao de mudares o meu rumo te faça pertencer
a ele. Tentas, sem te querer comprometer, ficar.
E eu sem saber bem o que fazer, continuo-te a
afastar e a deixar-me viver com o barulho com que
me habituei, enquanto tu, tentas fazer com que
a harmonia paire nas nossas vidas. Tu silenciosa
demais, eu ruidoso demais. Nao me parece que
consigamos ficar, mas também nao me parece que
devessemos partir. Aqui ficamos.
Faço-te promessas eternas que acabam ao anoitecer.
Acreditas com a esperança de que seja mentira.
E amanha tudo nao passou de mais um sonho sem sentido.

2 comentários:

  1. Agora já é seguro comentar, sim :)

    "Como se o facto de conseguires acalmar o meu mundo
    te dê o direito de ficar"
    isto está lindoo :)

    ResponderEliminar
  2. Tava so a meter-me ctg;) Eh, isto às vezes sai uma ou outra coisa sem aparente sentido, lol!

    ResponderEliminar

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...