quinta-feira, 25 de agosto de 2011

A cada noite uma nova esperança,
dizes adormecer a pensar que tudo
pode mudar e as coisas precisam
ser diferentes. E dormes bem.
Acordas e nada fazes para mudar
até porque toda a esperança que
te "rodeava" se consumiu com um
sonho menos bom. E o dia corre mal.

Esperas pela mudança como quem espera
pelo autocarro, que vem já com
destino programado, um destino que não
é teu, um destinho de muitos, que serve
para outros tantos, que, como tu, se
deixam levar pelas vidas dos outros.
E assim, assim corres sempre atrás
daquilo que não é teu, daquilo que te
arrasta. E adormeces, adormeces e acabas
por nunca despertar para a tua vida.
E vives, só. E viver apenas não te devia
chegar. Até porque poderias ter escolhido.

1 comentário:

  1. Há quem siga assim pela vida toda e chame a isso "serenidade". Há quem critique os questionadores e "insatisfeitos", mas me pergunto:
    _Isso será viver?

    Bjs

    ResponderEliminar

Às vezes dá aquela vontade muito miudinha de desaparecer... Desaparecer porque nos resta nada... Não há esperança, não há mais caminhos, não...