terça-feira, 12 de maio de 2015

A felicidade... Sussurrada ao ouvido numa palavra... "adoro-te". Simples, sincera, arrepiante, quente, completa. "Essa palavra repetida ao expoente da loucura", esse sentimento de entrega espalhado por todos os cantos da imaginação. A vida, toda ela construída ali, entre um e outro sussurro. O amor, todo ele coberto de nós, da nossa felicidade, do nosso sossego. E sem darmos conta passamos uma vida, duas... Uma eternidade. A vida inteira que conseguimos imaginar passou-nos aqui, entre um sussurro, dois sorriso, uma troca de olhares e um leve tocar na mão um leve na barriga e um abraço. Eternamente felizes fomos, eternamente felizes seremos. Fomos felizes até ao fim da vida, até ao fim dos tempos, até ao fim da loucura. Fomos o que quisemos ser, quando quisemos ser. Elevamos momentos a vidas. Vidas a mitos. Fomos deuses, fomos humanos, fomos fracos, fomos fortes, fomos tudo, somos nada. Somos loucos, somos felizes. Somos. Fomos tudo, fomos nada e nem uma hora passou.  

Sem comentários:

Enviar um comentário