Avançar para o conteúdo principal

À cabra cega

O tempo, esse sim, é uma coisa que me faz confusão e o facto de ter a plena noção que nunca o conseguirei controlar assusta-me um bocadinho... É como se caminhasse em direcção a um futuro desconhecido, sem saber se lá chegarei... O tempo tira-me a vontade, eu até quero ir, mas nunca sei se vou a tempo... E nunca sei se, ao ir, não vou apenas perder mais tempo. E acabo por ficar por não querer perder o tempo ao voltar. A sensação de que o tempo se nos foge dá-nos vontade de fazer tudo, viver intensamente cada momento, para que "amanhã" não me possa arrepender do que não fiz. Ao querer fazer tudo, acabas por te dar conta que não estiveste em nada inteiramente, passaste a correr por uma vida que tinha muito mais a dar-te que apenas uma corrida em direcção ao fim. E esse fim pode não ser uma meta e podes não ter um prémio à chegada. O fim pode representar o arrependimento, porque nem em todas as corridas se deve chegar rápido, há corridas onde o importante é ir devagar, vislumbrar o paraíso e ficar o tempo suficiente para o sentir. Há corridas que o importante é saber esperar, esperar junto aquilo que nos faz felizes e esperar que o fim venha, calmamente de encontro a nós. Muitos poderiam chamar-me comodista por não querer ir mais longe, mas o que esses não percebem é que eu posso já ter chegado onde queria e posso apenas estar confortavelmente "sentado" à espera. O que pode também não ser verdade e posso vir a descobrir que afinal deveria ter ido mais longe, talvez, caso isso aconteça volte a correr, com a certeza que será uma corrida ainda mais injusta, porque convém nunca esquecer que corremos contra o tempo, e o tempo tem um amigo que se chama imprevisibilidade que ainda dificulta mais as coisas... É como brincar à cabra cega.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …