Avançar para o conteúdo principal

Natal

"É Natal, é Natal


Tudo tem mais luz

É Natal, é Natal

Já nasceu Jesu…

Oooh diacho! Mas o que é que isso tem a ver com o Natal?

Boa pergunta! Vamos ver.

Reza a lenda que neste dia nasceu Jesus, filho de Maria

E filho de José… Bem, filho, FILHO, não é

Mas ele gostava muito do menino

Pois era filho do Espírito Santo, era obra divina.

Seguindo a estrela guia iam 3 Reis magos

Trouxeram prendas para celebrar com alegria

E desde então as comemorações duram 90 dia… Não! Não é.

Vamos então voltar ao raciocínio. O Natal é tempo de paz e alegria e nada melhor do que demonstrar isso, num ambiente onde impera o espírito consumista, em tempo de crise, onde as pessoas podem passear em frente a vitrinas, ver tudo o que não podem comprar e evitam desejar. É deixar as compras para o fim só para poderem apreciar aqueles momentos especiais em que estão entre estranhos a acotovelarem-se para conseguir comprar aquela última prenda que tem mesmo de ser, sendo garantido que quem a receber vai dizer com toda a alegria: “Ah… dá jeito”. E tudo isto envolvido com decorações e música ambiente embebida de espírito natalício e nada repetitiva.

Ora isto começa quando? Outubro, que, como toda a gente sabe, é aquele mês em que o Natal faz sentido. É que chegamos a 25 de Dezembro cheios de energia e vontade de celebrar o dia em que o velho de vermelho desce a chaminé para dar prendas a quem se portou bem… Ah, esperem.

Hoje em dia já não se ensina isso às crianças. Não, a ideia de um velho desconhecido dar prendas aos meninos que se portam bem é demasiado infantil e perigosa. Para alguns pais é a questão de não quererem que os filhos digam coisas tão estúpidas como: “Eu acredito no Pai Natal” ou “Sou uma criança que não pode desenvolver a sua imaginação para não envergonhar os meus pais quando eles estiverem a forçar-me a repetir coisas que não percebi mas que me obrigaram a decorar para parecer inteligente e eles poderem pavonearem-me aos amigos e desconhecidos”.

Para outros é o perigo do bicho papão do século XXI, o pedófilo. Isto é o que acontece na cabeça destes pais se ensinarem aos filhos o mito do Pai Natal: “OH, OH, OH, criancinha, estás por aqui sozinha? Onde estão os teus pais? Não estão aqui? OH, Oh, ooooh… e tu foste um bom menino, criancinha? Sim? Queres que eu te dê um docinho, meu pequenino?” – e depois só ficam a saber quando a criança lhes disser: “Mamã, papá, (coça a cara) hoje vi o Pai Natal! Ele apareceu e eu disse: ‘Oh, Pai Natal o que me trouxeste como prenda?’ E ele disse: ‘Herpes’ – Isso é o quê?”

Ter medo dos pedófilos é tão 2003, hoje em dia o maior medo dos vossos filhos não é serem abusados por velhos nojentos, é serem amigos da avó no facebook:

“Oh meu pequerruchinho, quem é esta menina? É a tua namorada, é? É a tua namoradinha? Parece impossível, ainda ontem, parece-me, andavas tu a correr todo nu pela casa da avó, com a piroquita a dar a dar e a espalhar cocó pelas paredes depois de teres feito xixi na tua roupinha. Olha! Acho que tenho aqui algumas fotos disso, vou procurar e perguntar ali ao vizinho como é que se põem fotografias aqui nisto. Ai que riqueza, este meu menino.” – Eu também tenho medo.

Mas então o que é o Natal? É tempo da família? É tempo para mimar os nossos entes queridos com prendas? É trazer um bocadinho de alegria polvilhado com magia à imaginação das crianças? É celebrar o nascimento do menino Jesus? Se sim, lembrem-se que os presépios estão desactualizados, o burro e a vaca estão fora, porque o Papa sabe que vocês não são estúpidos e nunca iriam acreditar que num estábulo há animais… já mães virgens e um “pai” crédulo é garantido. É caso para pensar em que vaca e burro estaria o Papa a falar!

Mas estamos a divagar.

Eu não sei o que é o Natal para vocês mas seja o que for, espero que não seja o tema dos vossos tempos livres enfiados em centros comerciais a sentirem-se mal porque não têm dinheiro para poder comprar, comprar, comprar. Eu sei que é difícil não nos sentirmos assim, até porque não há nada como aproveitar um tempo festivo de alegria para nos deitar abaixo e ser tudo menos positivo. Mas podemos tentar, o Natal pode ser divertido. É claro que assim não é mas também, a levar com isto durante 3 meses o que seria? Vejam o Carnaval brasileiro, por exemplo, é giro, tudo é alegria, que se lixe se vivem numa favela, ali é dança, é cor, é ritmo, é festa, são 3 dias. Imaginam o brasileiros a sambar durante 90 dias? Não haveria muitos sorrisos…

É por isso que vos digo, a Carnaval são 3 dias e o Natal são 3 meses… mas não devia.

Bom mês de Natal a todos."

Aristocratas

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …
Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...