quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Sabes...

Tu até sabes que o caminho certo,
ou o mais certo, sem grandes surpresas,
sem grandes obstáculos, sem grandes
dilemas, era o outro, aquele que nao
escolheste porque querias arriscar,
ou entao, aquele caminho era o que
todos, sem muita vontade, seguiam.
E tu, não querias ser como eles,
tinhas vontade de ser diferente,
tinhas objectivos que te distinguiam,
julgavas tu ser diferente dos demais,
para no fim dares conta de que nada,
a nao ser uma estranha ilusão, te
diferenciava de todos aqueles que
sempre escolheram o lado mais fácil.
E agora voltar atrás não depende só
de ti, depende também daqueles que te
guiaram até onde te "perdeste", esses
tais demais que queriamos "ultrapassar",
chegar mais longe, olhar de "cima".
E esses, esses acabam por olhar para ti
com indiferença e nem o facto de teres
ido um bocadinho mais longe que eles
te deixa mais feliz, ou menos infeliz.
Tu que por teres alargado um bocadinho
mais o teu horizonte, te apercebeste
que foste longe demais, foste sozinho.
Tu que olhas para trás e reparas
que todos os que te acompanharam até aí
já não estão lá para te acompanhar
na "descida", no retorno, no regresso ao
"teu tamanho original". (O que contraria
aquele ditado que se ouve muito por aí:
Uma mente aberta jamais volta ao seu
tamanho original" e é bonito...)
Resta-te então descer sozinho, ou continuar
a subir mais, a alargar mais o horizonte,
a conhecer cada vez mais, seres mais que
os demais que desceram e sempre com a esperança
de encontrar alguém mais acima.

Eu vou continuar a subir... E tu??

Sem comentários:

Enviar um comentário

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos l...