Avançar para o conteúdo principal

"nao" destino

O filme falava acerca
de tempo, talvez abordasse
aquela velha máxima:
"Nao importa quanto tempo
dure, o que importa é a
intensidade com que se vive"
(nao sei se é exactamente assim),
Talvez tenhamos algo pre-destinado
talvez independentemente do
tempo que passe, independentemente do
que façamos nos entretantos, o que nos
foi, de certa forma destinado,
acabará por nos cair aos pés...
"isso" que nos cairá aos pés,
será entao o nosso destino.
Ora então o que realmente me
revolta é esse tal "nao-destino",
aborrece-me saber que por muito que
faça, por muito que tente, uma ou
outra coisa, se me estiver "nao destinado"
tudo o que fiz até então foi em vão,
ou sendo optimista, esse tal "vão"
acabou por ser o que acabou por
me levar, áquele que será o meu destino.
No meio disto, esqueci-me de mencionar
que o destino pode ser bom ou mau.
Esse "tal" destino acaba por não ser
mais do que um acumular de opçoes
que foram tomadas ao longo do tempo.
se fizermos as opçoes certas, o final
poderá ser feliz, caso nao haja um ou
outro destino a cruzar o nosso.
Portanto sendo optimista, construimos
o destino de trás para a frente,
como deveria ser, se formos pessimistas
acreditamos que o futuro ja nos foi destinado
á nascença... É realmente muito bom
adormecer agora e pensar que se hoje
cometemos um enorme erro, "amanhã"
não foi um erro, foi o destino que nos
levou a cometer esse disparate, em nome
de toda a felicidade que por aí vem...
Pois bem, isso não é acreditar no destino,
a isso chama-se ser comodista, chama-se
atirar para cima de algo que "pode" nem sequer
existir toda a responsabilidade de um ou´
outro acto impensado, irrefelectido, que
acabaria por nos perseguir até, caso não
houvesse esse tal "destino", ao fim.
Acredito seriamente nesse tal "nao destino"
até porque sou optimista e quero pensar
que aquilo que possa vir a acontecer
de bom, caso venha, aconteceu porque eu
lutei, tentei, acreditei, errei, resolvi e
nao porque o destino já tinha feito isto
tudo em minha vez...
Eu comodamente me sentaria á espera do
destino, esqueceria todos os erros que
cometi, isto se lhe podessemos chamar
erros, afinal não passam da forma utilizada
pelo destino para chegar a um objectivo,
então surge-me esse tal de "nao destino".
E eu fico a pensar que só quem
quer ficar comodamente sentado é que
espera pelo que ái vem...
Não sei se vou errar, mas essas pessoas
talvez nao tenham a coragem de enfrentar
a vida de forma cruel e simples e pessoal
e particular e "responsavel".
Eu gostava de acreditar no destino, talvez
acredite um pouco, talvez porque nao tenha
a coragem suficiente, mas ultimamente
tenho-me feito algumas perguntas e o destino
nao me parecer ser a melhor resposta para
muitas delas... E o que mais me assusta é
que não lhes encontro resposta alguma...
Deixei, talvez de acreditar (ou a nao
ter tanta certeza) em (de) muita coisa...

O filme nao é nada de surreal, aliás,
é muito básico... Tem um história
comovente: doença, guerra, amor, tragédia,
"traiçao", perdão... "destino" digamos...
Mas é básico e assim será a vida
ao acreditar no "destino"...
Eu sempre fui um não sei quê mais
complexo, nao me posso permitir
acreditar no destino, é dificil,
bem o sei, mas não e tão monótono,
será um bocadinho mais Interessante.
Ou então será uma enorme dor de cabeça,
e quando assim for acredito que foi o
destino que me obrigou a pensar assim...

Fácil...
Vou contra tudo o que defendi agora.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …