sábado, 3 de maio de 2014

Nada...

E os dias, que caem um atrás dos outros, seguidos de noites que se prolongam e se perdem. Perde-se vida, perde-se tudo, perde-se tudo o que se teve e não se ganha o que se ganharia. Em troca da efémera sensação de liberdade de 2 copos cheios de vazio, vistos por dois olhos embriagados que nada vêem, acordamos ao outro dia com o nada que se adivinhava e presos à consequência do vazio. E os dias são só isso, uns atrás dos outros e tudo se perde a cada dia, nada se ganha e a cada noite tudo se perde. E ele, ele ainda julgava que ganhava alguma coisa, foi então que acordou, vazio, cheio de nada do dia anterior e cheio de tudo o que viria a seguir. E assim seguiu, como seguem os que vão andando ao sabor de nada. 

4 comentários:

  1. :-) O sabor a nada é capaz de ser o que mais cria mau estar após o sentirmos.

    ResponderEliminar
  2. tanto desalento...

    e o mais grave é que tudo sabe a nada....

    :(

    ResponderEliminar
  3. O sentimento do vazio que nos cerca pode ser muito cruel... É preciso fugir dele.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Pode saber a nada, mas já soube a alguma coisa ;) E é isto que nos fica e é disto que somos feitos... Digo eu ;)

    ResponderEliminar