Avançar para o conteúdo principal

Tempo

Perdemos a vontade, por uma errada percepção
de tempo de que a vida é sempre a fugir.
Nao temos tempo para lutar pelo que achamos
estar correcto, nao temos tempo para ajudar
aquele velhinho que atravessa a rua carregado
pelo tempo que lhe pesa às costas, pelo tempo
investido, ao final de contas, em ti, foi "ele"
que te trouxe até onde estás hoje, e hoje,
olhas para ele com aquele teu ar de superioridade
de quem olha de longe para um miseravel.
perdeste o respeito por quem carrega vagorasamente
a sabedoria que só atingirás, quando atravessares
essa mesma rua, como quem percorre uma vida inteira
a passo acelarado naquela pequena distancia, onde
serás olhado por alguém que como tu pensa que esse
velhinho é um pequeno estorvo ao transito que se
atrasa na sua real miserável vida quotidiana.
Nao tens tempo para ajudar aquele senhor que
pede dinheiro num estacionamento, que provavelmente
olhou um dia também para alguém que lhe pediu ajuda
numa situaçao semelhante e lha recusou com desprezo,
com vontade de lhe dizer que podia perfeitamente ir
trabalhar, que se nao devia ter metido nas drogas,
que nao devia ter traído o conceito geral de "familia",
sim porque provavelmente esqueces-te que se esse homem
vem pedir ajuda a um desconhecido é porque já esgotou
todas as suas possibilidades, todos os seus recursos
e que ainda provavelmente tem uma familia á qual deve
prestar contas, ou pelo menos prestar a prova de que
pelo menos hoje tentou que o pao lhes chegasse ao goto.
Nao tens tempo para ilucidar quem caminha em direcçao
ao pricipio, até porque te será mais facil um dia
pores-lhe a mao nas costas e dizeres que afinal nao
devia ter ido por ali, até porque ele já o sabe, já
caiu e percebeu que realmente, mesmo sem lhe teres dito
atempadamente que mais tarde ou mais cedo ia cair.
Nao tens tempo para estares aqui porque tens de estar
noutro lugar qualquer, que no fundo nao vais estar,
porque na realidade vais estar noutro.
Nao tens tempo... Nao tens tempo... Nao tens tempo...
Quando no fim reparas que todo esse tempo que nao
tiveste foi realmente o tempo que te faz falta agora
que já é tarde demais para o ires lá atrás aproveitar...
E é assim, só quando fores tu a atravessar a rua sozinho,
pesado, carregado pelo tempo que nao tiveste e que te acabou
por sobrar, é que vais perceber que devias ter feito
tudo diferente... E agora, agora resta-te esperar,
tens tempo a mais, resta-te esperar pelo fim, fim esse
que vai tardar, que te vai levar onde nao querias,
fim esse que te vai voltar a querer nao ter tempo, quando
o que tu sempre fizeste foi mesmo isso,
NAO QUERER TER TEMPO.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."

Shakespeare

"Depois de algum tempo aprendes a diferença, a subtil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. E aprendesque amar não significa apoiar-se, e que companhia nem sempre significa segurança. E começas a aprender que beijos não são contratos e presentes não são promessas. Acabas por aceitar as derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. E aprendes a construir todas as tuas estradas de hoje, porque o terreno do amanhã é incerto demais para os planos, e o futuro tem o costume de cair em vão. Depois de algum tempo aprendes que o sol queima se te expuseres a ele por muito tempo. Aprendes que não importa o quanto tu te importas, simplesmente porque algumas pessoas não se importam... E aceitas que apesar da bondade que reside numa pessoa, ela poderá ferir-te de vez em quando e precisas perdoá-la por isso.Aprendes que falar pode aliviar dores emocionais. Descobres que se leva anos para se construir a confiança e apenas …