Avançar para o conteúdo principal

Aceitem!

Eu sei que nos acostumamos. Mas não deviamos.
Habituamo-nos a viver no apartamento dos fundos
e a não ter outra vista que não a das janelas á volta.
E porque não temos uma vista, acostumamo-nos a nao olhar para fora.
E porque não olhamos para fora, acostumamo-nos a não abrir a cortina.
E porque não abrimos a cortina, acostumamo-no a acender a luz mais cedo.
E a medida que nos acostumamos, esquecemos o sol, esquecemos o ar, esquecemos a grandiosidade.

Acostumamo-nos a acordar de manhã exaltados porque está na hora.
A tomar café a correr porque estamos atrasados.
A ler o jornal no autocarro porque não podemos perder o tempo da viagem.
A comer porcaria porque não dá pra almoçar.
A sair do trabalho porque já é de noite.
A adormecer no autocarro por estarmos cansados
A ir dormir pesados porque acabamos de nao viver mais um dia.

Habituamo-nos a abrir o jornal e a ler sobre a guerra.
E ao aceitar a guerra, aceitamos os mortos e que haja um número para os mortos.
E ao aceitar os números aceitamos não acreditar em negociações de paz,
aceitamos ler todos os dias acerca de guerras, dos números, da longa duração.

Acostumamo-nos a esperar o dia inteiro, a ouvir pelo telefone: hoje não posso ir.
A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso em troca.
A ser ignorados quando precisavamos tanto ser vistos.
Acostumamo-nos a pagar por tudo o que desejamos e por tudo que necessitamos.
A lutar para ganhar dinheiro a fim de pagar esse "todo".

E a ganhar menos do que precisamos.
E a fazer filas para pagar.
E a pagar mais do que as coisas valem.
E a saber que cada vez pagarremos mais.
E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter como pagar nas filas onde se tem de pagar.1

Acostumamo-nos a andar na rua e a ver cartazes.
A abrir as revistas e a ver anúncios.
A ligar a televisão e a ver publicidade.
A ir ao cinema e ver promoçoes.
A ser levados, dirigidos, quase obrigados a cair na infindável lista de produtos.
acostumamo-nos à poluição.

As salas fechadas com ar condicionado e cheiro a tabaco.
A luz artificial de ligeiramente tremula.
Ao choque que os olhos levam com a luz natural.
Às bactérias da água potável.
A contaminação da água do mar.
A lenta morte dos rios.
Acostumamo-nos a não ouvir o passarinho, a não ter o galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães,
a não colher fruta da arvore, a não ter sequer uma planta.
acostuma-nos a coisas demais para não sofrer.

Em doses pequenas, tentando não perceber, vamos afastando uma dor aqui,
um ressentimento ali, uma revolta acolá.
Se o cinema está cheio, sentamo-nos na primeira fila e corremos a lengeda.
Se a praia está contaminada molhamos apenas os pés e suamos no resto do corpo.

Se o trabalho nao vai bem, consolamo-nos a pensar no fim de semana.
E se no fim de semana não há muito o que fazer, vamos para a cama cedo
e ainda ficamos satisfeitos porque precisavamos mesmo dormir.

Aprendemos a aceitar tudo, para preservar a pele.
Acostumamo-nos para evitar feridas, sangramentos, para nos esquivarmos
da faca para salvar o coraçao.
Habituamo-nos a tudo para poupar a vida que aos poucos se perde, que se perde de tanto acostumar, se perde de si mesma.


Fodasse!!!!!

Baseado numa Marina qualquer coisa... Mas é uma boa imagem de tudo aquilo que fazemos todos os dias...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Soltamos das paredes da imaginação o quadros com os sonhos... Caminhamos por caminhos que nunca tinham sido nossos... Deixamos quem éramos lá atrás e retocamos os quatros ainda há pouco desprendidos. Entorpecidos pelo amor, caminhamos enquanto pintamos, sonhamos enquanto caminhamos, construímos enquanto destruímos. Depois de soltos os sonhos, acabam por se prender em quem amamos. Ali, em quem amamos, residem agora os quadros dos nossos sonhos, as paredes da nossa imaginação, os limites da nossa existência. Ali, ali fica tudo o que já fomos e tudo o que gostaríamos de ter sido. Ali, como quem troca para uma casa maior e mais bonita, procuramos uma parede mais perfeita onde possamos decorar a vida.

Mas, quando por alguma razão o amor nos falha e a vida nos ludibria, deixamos de ser quem já fomos. Há muito deixamos aquelas paredes velhas. E há muito que os sonhos que um dia soltamos das paredes já não são os mesmos. Quando o amor nos falha por qualquer razão voltamos sem sonhos, pelo men…
Morreste-me ali amor... Sei que ainda respiras... Mal, mas respiras... Sei que ainda aí vives... Mas sei que te perdi ali algures onde a vida vira... Fomos tantas e tantas vezes ao limite do ser que nos perdemos para lá do ir... Fomos longe demais procurar o que tínhamos mesmo à mão de ser... Quisemos ser tudo... Quisemos viver tudo, quisemos ter a certeza... E com a certeza de que o amanhã é incerto, guiamo-nos pela incerteza... Perdidos por ali... Fomos morrendo...
Agora, agora vais-me a enterrar quando não restar nada... Quando formos só uma imagem do ontem, um sonho enterrado vivo e morto à nascença... Morremos ali... Aonde a vida vai e nos ficamos... Vamos a enterrar, sozinhos de nós...

De: Helena Coutinho

"Aqui jaz um corpo que esculpiu palavras.
Aqui jaz o sorriso de quem ousou querer o mundo dos imortais;
os cabelos onde borboletas passeavam liberdade
e as mãos de jardim, onde beija-flores bebiam fantasia…
Aqui jaz a que não temeu sonhar todas as vontades do coração.
Aqui repousa a alma da que jamais descansou de sentir tudo,
de todas as maneiras.
Aqui ecoará, para sempre, um querer, infinito, de poeta.
Aqui perdurará o tempo que a vida não me deixou escrever."